ética, Educação, filosofia, sociedade

É justo zoar os atrasados do Enem?

Este vídeo do Izzy Nobre foi um bom pretexto para falar sobre as questões de ética e escolha, em mais profundidade do que em meu último post sobre o assunto livre-arbítrio.

Primeiramente, vou deixar claro que ODEIO atrasados. Neste país temos a mania de achar que se preocupar com horário é coisa de gente “noiada” e “careta”, que você não deve a ninguém e “o importante é ser feliz”, foda-se os outros, e tudo bem chegar meia-hora ou uma hora depois do combinado, se a outra pessoa ficar nervosa, ela é que está errada, não você que é folgado. E médico, como médico atrasa: Já fui chamado para entrar no consultório 40 min depois do horário, e o filho-da-puta ainda me recebe sem nem pedir desculpas nem dar explicações. Se reclamar, ainda te encaminha para o psiquiatra. E nem foi no SUS.

Mas é certo fazer os “atrasados do Enem” de palhaços, rir da desgraça deles (e para muitos é uma desgraça mesmo, significa um ano no “limbo” do cursinho), ou até sentar numa caixa de cerveja e assistir o desespero dos atrasados? Que fique claro, eu sou radicalmente a favor da liberdade de expressão, radicalmente mesmo, sou contra proibir as pessoas de rir do que quiserem, mesmo que seja humor negro, mesmo que seja de péssimo gosto. Muitas vezes eu também rio, apesar de não achar a menor graça no caso dos atrasados do Enem, talvez por sentir empatia por eles e não com vítimas “genéricas” de piadas de humor negro. Portanto não, não proíbam esse tipo de humor. Mas o fato de eu não achar que deveria ser ilegal não significa que eu não possa achar ruim, e manifestar isso, eu tenho liberdade de expressão também.

Primeiramente, vamos fazer uma distinção: Não é o mesmo tipo de atraso, ainda que o mesmo tipo de pessoa que se atrasa em um tipo de compromisso se atrasar em todos, em geral, mas mesmo assim, são situações diferentes. Uma coisa é você firmar um compromisso com uma pessoa e deixá-la esperando. Você está prejudicando alguém. Uma prova como o Enem é outro tipo de compromisso, impessoal, que você não vai prejudicar ninguém (além de si mesmo) chegando atrasado, e eu acho que não faz sentido ficar com raiva ou humilhar alguém que se atrasou para isto. Me enoja sim o fiscal, que quase transpira o prazer sádico que tem de estar fodendo a vida de alguém por minutos ou mesmo segundos de atraso, amparado pela burocracia. E por favor, não me venha com este argumento de vaquinha de presépio de “as coisas são assim mesmo”, “regras são regras, ele só fez o que foi mandado”, o tribunal de Nuremberg estava cheio de réus que só estava cumprindo ordens (cumprindo ordens com muito gosto).

Em todo caso, você não sabe o que aconteceu. Há mil maneiras de chegar atrasado mesmo saindo cedo de casa. Existem, claro, casos de pessoas que se atrasaram por motivos idiotas, como uma que supostamente teria se atrasado porque ficou rezando no carro com a mãe, ou porque parou para comprar lanche na rua. Claro que o cara da caixa de cerveja, e o Cauê Moura, que praticamente endeusou o cara da caixa de cerveja, nem pensam nisso, e riem da desgraça alheia independente das causas. Engraçado que o Cauê, muitos anos atrás, fez um vídeo dizendo como as pequenas autoridades, em geral, são cretinas e detestáveis (são mesmo), dando como exemplo um segurança que não o deixou entrar numa festa de bermuda. Mas quando é o fiscal do Enem proibindo um aluno de entrar após um minuto de atraso, ele acha o cara o máximo. Que coisa, não?

Mesmo nesses casos, acho uma crueldade idiota rir da cara dessas pessoas e fazê-las de palhaças no YouTube (mais uma vez frisando que não quero que o YouTube e muito menos o governo proíbam isso, e nunca dei flag num vídeo do YouTube, nem por isso nem por outro motivo), ainda mais sendo que elas não fizeram nada para você, que é o mesmo motivo pelo qual acho grotesco ficar fazendo piadas de futebol para zoar os amigos, do que já tratei em outro post. O Izzy tenta fazer uma distinção, diz que uma coisa é rir da desgraça de alguém por algo que aconteceu à ele fora de seu controle, por exemplo, sofrer um assalto, ou ser atropelado. Outra é rir dos vacilos de alguém, por coisas que ela escolheu e que foram uma merda, e dá o exemplo de um amigo que casou com uma mulher que todos os amigos do grupo avisaram que não prestava, e de outro que comprou um carro que todos avisaram ser ruim. A distinção é razoável, mas mesmo assim, essas pessoas realmente fizeram uma “livre escolha”?

Na verdade, não. Ainda que elas pensassem que estavam agindo livremente, se questionadas sobre isso, estudos científicos já provaram que a sensação da liberdade só é de fato formada na mente depois da ação ter sido feita, basicamente uma ilusão cognitiva. Um pesquisador observando um electroencefalograma consegue, por exemplo, saber se você vai mover a sua mão direita ou esquerda antes de você mesmo saber. Nem acho que precisaria de estudo científico para isso. A ideia de livre-arbítrio é ilógica, impossível, implicaria no cérebro ser um órgão que existe em uma realidade paralela que existe alheia às leis da física, mais ou menos como no filme Divertidamente, mesmo assim, eu não consigo imaginar como este livre-arbítrio funcionaria. Ainda que ignoremos as causas de muitas ações humanas, nossa ignorância não é prova de que sejam livres. Cada disparo de cada neurônio seu foi provocado por sinais vindo de outro neurônio, ou de alguma informação do ambiente (ondas sonoras, luz, calor etc) isto acontece sem você necessariamente saber, sem necessariamente perceber, e sem que você possa mudar o que acontece. Mesmo se for verdade que o funcionamento do neurônio seja afetado por fenômenos quânticos mais ou menos aleatórios, o que não foi provado, ainda assim você não teria livre arbítrio, seus pensamentos e ações apenas estariam sendo determinados por eventos aleatórios.

Felizmente, a língua tem as palavras “liberdade” e “livre-arbítrio” distintas. O conceito de liberdade do qual falo no terceiro parágrafo, por exemplo, liberdade de expressão, independe de livre arbítrio, e basicamente significa expressar o que você quiser sem punição. Mais ou menos o mesmo ocorre com liberdade no sentido político e jurídico, que, pelo menos a princípio, podem ser mantidas mesmo sabendo que não há livre arbítrio. O erro da maioria dos grupos de direitos humanos não é sugerir que os criminosos foram vítimas passivas de fatores sobre os quais não tiveram controle (foram mesmo), mas achar que isto justifica impunidade, e que todo criminoso pode ser recuperado. De qualquer forma, esses mesmos grupos não deixariam de demonizar um político reacionário (um Bolsonaro, por exemplo) que quisesse endurecer as penas para crimes como roubo e furto, ou até propor pena de morte, quando no fundo este político teve tão pouca liberdade em mudar suas ações quanto um menino de rua que pratica furtos.

Mas então, deveríamos mudar nossas emoções, em vista desta nova informação? Você pode, por exemplo, chegar à conclusão de que está certo, não é completamente arbitrário, sentir raiva e querer punir alguém que fez algo estando perfeitamente ciente das informações a respeito de sua ação, nutrida por sentimento de malícia ou simples indiferença, ainda que no fundo a pessoa não tenha escolhido sentir estas emoções ou agir perante elas, certo ou não, é como eu penso quando julgo alguém errado. Ou talvez você pense que, então, não faz sentido mesmo sentir raiva. Independente do que você pensar, infelizmente, deixar de sentir ódio (justificado ou não) é impossível. Talvez seja mais fácil perdoar as pessoas, deixar de ódiá-las, se tiver em mente que elas nunca poderiam ter agido diferente, mas sentir ódio em algum momento você vai. Aliás, quem nunca sentiu raiva do computador travando, mesmo sem nenhuma ilusão de que ele seja livre?  O intelecto não tem grande poder em mudar o emocional, como qualquer pessoa com fobia sabe bem. Sem dúvida iríamos repensar muita coisa, se nos déssemos conta de que livre-arbítrio é uma ilusão. Talvez Izzy pensasse que seu amigo, antes de ser um alvo aceitável de piadas, é alguém digno de pena, por ter uma mente que o obrigou a se casar com uma mulher cretina, ainda que houvesse plena informação de que estava fazendo algo de que iria se arrepender. Mais do que isso,  teríamos de rearquitetar vários conceitos que deixariam de fazer sentido, até a responsabilidade, culpa, vergonha e orgulho deixariam de fazer sentido. Mas calma, esta mudança de paradigma só seria a longo prazo. E fazer as pessoas se sentirem responsáveis pelo que fazem, e se envergonhar do que fazem errado, ainda é uma das melhores formas de condicionar alguém a fazer o certo, por exemplo, não chegar atrasado em compromissos.

Por fim, vou deixar aqui o único meme do Enem que eu gostei. E no fundo, gostaria muito que isso acontecesse de verdade:

cj-enem

 

Sugestões:

Livre Arbítrio e “Livre Arbítrio” – Como as minhas opiniões diferem das de Daniel Dennett

https://rebeldiametafisica.wordpress.com/tag/sam-harris/

 

 

Anúncios
Padrão
filosofia, Resenha

Chuck

chuck

[Aviso: Contém SPOILERS da primeira temporada de Better Call Saul]

Chuck era um advogado brilhante, e um executivo genial, um dos fundadores da empresa de advocacia HHM, uma das mais proeminentes de Albuquerque – Novo México.  Mas, fugindo do estereótipo, não é um cara desonesto, nada cretino, mas sim bastante trabalhador, tendo se empenhado a vida toda em ser bem-sucedido do lado “do bem”. Quase um posterboy do “american dream”. Ao contrário de seu irmão, o incorrigível malandro James McGill, que no futuro passaria a ser o advogado do químico Walter White, mas na cronologia de Better Call Saul ainda era um verdadeiro coitado, praticamente um Dick Vigarista que sempre acaba mal apesar (ou por causa) de suas safadezas, sempre à sombra do irmão de caráter exemplar.

Mas Chuck tinha um probleminha: Anos atrás, por circunstâncias não muito bem elucidadas, havia desenvolvido uma severa intolerância por hipersensibilidade à radiação eletromagnética. A condição o obrigara a viver isolado em sua casa sendo ajudado pelo irmão malandro, sem absolutamente nada elétrico, nem mesmo lâmpadas, janelas com cortinas entreabertas e olhe lá.

Em meados da primeira temporada, no entanto, sendo internado no hospital, a astuta médica, após ser informada da condição – e tendo tolerado temporariamente que os todos equipamentos elétricos do quarto fossem desligados – discretamente ligou o computador embarcado da cama em que Chuck estava deitado. Sem que ele percebesse. Experimentos em casos de hipersensibilidade à radiação eletromagnética na vida real também demonstraram a mesma coisa, que os pacientes são incapazes de perceber energia eletromagnética se as fontes forem escondidas. Apenas uma condição psicosomática.

Mas não contam para ele. E essa é a parte que e provocou mais, passei a assistir cada episódio, cada novo evento da trama, esperando o momento em que alguém acharia não apenas pertinente, mas irresistível, dizer ao Chuck que a intolerância existia apenas em sua mente. Mas não dizem.. Por quê? No hospital, ficam preocupados com a possibilidade dele acabar em uma ala psiquiátrica, o que ele só iria à força, e seria o fim de sua já quase morta carreira profissional. Mas chegam tantos momentos em que seria plausível contarem a verdade… Mas nunca contam. Eu estava curioso para saber o que aconteceria se dissessem, isto em parte pela minha grande curiosidade a respeito do funcionamento da mente humana. O que aconteceria? Ele pararia de se incomodar? Instalaria lâmpadas na casa, aqueceria seu almoço no micro-ondas e carregaria um celular no bolso como todo mundo? O conhecimento intelectual tem poder de mudar radicalmente o emocional?

Possivelmente não. Possivelmente, pelo que já estudei, acreditaria de forma ainda mais arraigada em sua condição, acharia que os outros conspiram contra ele e elaboraria uma teoria mirabolante para explicar o que aconteceu quando a médica ligou o computador da cama… Talvez por isto os outros não contem. Eles têm medo de como ele vai agir quando souber a verdade. Eles até continuam obedecendo aos rituais, de tirar os celulares e demais aparelhos eletrônicos antes de entrar em sua casa, mesmo depois da médica ter provado que o mal se tratava apenas de efeito nocebo. A verdade?  Platão a superestimou. A verdade não, é melhor até esquecermos dela, antes que comecemos a nos sentir tentados a entregá-la, por compaixão, vamos manter a ilusão, os pós-modernistas tem razão, verdade é mero constructo social, então, por que vamos insistir na verdade quando ela não é mais socialmente conveniente? Inclusive ouço muito coisas neste sentido em respeito à religião, mais precisamente, em respeito à pessoas que acreditam em maluquices, até mesmo que lhes custam tempo e dinheiro, e impõe todo tipo de restrição (como ter que fazer o Enem só após ficar horas em silêncio numa sala com outros iludidos), “ah, mas se ele tá bem assim…”.  Eu acho muito triste esta moda da relativização da verdade, que se tornou forte com a corrupção do pensamento ocidental pelo pós-modernismo. Ser condescendente com a ilusão de alguém, julgar que ele não pode ser feliz de outra forma, é basicamente reduzi-lo a um louco.

Mas e se você fosse louco, os seus amigos avisariam? Avisariam talvez apenas após muita deliberação, e ainda assim muitos seriam contra? Acredito nesta segunda hipótese, e isto só se forem muito seus amigos, e ainda assim só em algumas circunstâncias um tanto quanto extremas. Esconder a verdade é ainda mais provável com não-amigos, que apenas não querem que você encha o saco, e falam o que for preciso para tal. Isto se não se divertirem maldosamente às suas custas. Você só fala abobrinha no escritório, mas todo mundo ouve e finge que entendeu. Não é um pensamento terrível, que todo mundo te trata feito um louco porque, como já virou chavão, “o médico mandou não contrariar”?

Como toda pessoa não-psicopata admitiria, eu às vezes (tá bom, várias vezes) tenho problemas de autoestima, duvido de mim mesmo. Às vezes me pego pensando se eu não estou na mesma situação de Chuck, meus amigos velando o fato de que o que eu falo e escrevo são totais desvarios, que o maior sucesso que eu posso ter é o meu blog acabar na tese de mestrado de algum psiquiatra ou neurologista, como exemplo do que sai quando alguém em estado psicótico delirante acredita estar produzindo algo digno de apreciação intelectual.

Será?

Padrão
ética, filosofia

Colocações Condicionadas Sobre Livre-arbítrio

Livre-arbítrio não existe. Na verdade, quanto
mais pesquiso sobre ele mais me convenço de que é na verdade ilógico, contraria
as leis da física e da química, e portanto, não é algo real. Existir
livre-arbítrio implicaria na existência de ações não causadas, que não são o
fim de uma cadeia de causa e efeito. Pense no modo como funciona o cérebro, uma
máquina bioquímica composta de neurônios que disparam e sinalizam uns aos
outros com neurotransmissores. Um excita e inibe o outro, que excita ou inibe o
outro…. Não há espaço para livre-arbítrio. Na verdade, várias experiências
psicológicas já provaram que a sensação de liberdade é formada no cérebro das
pessoas depois do ato já ter sido feito, o tal processo de tomada de decisão é feito
inconscientemente, obedecendo diversos mecanismos psicológicos inconscientes.

Liberdade pode ter conceitos diferentes, não necessariamente
livre-arbítrio. Se liberdade for livre arbítrio, então acabou, não existe
liberdade, e o que as pessoas chamam de “ações livres” são apenas ações que
ignoramos as causas. Mas claro que liberdade pode significar apenas agir
segundo a sua vontade, o seu ímpeto. Quando eu escolho tomar uma Coca-Cola sem
gelo e limão, isto pode ser chamado de uma ação livre, no sentido de que eu estou obedecendo apenas a um processo mais ou menos aleatório no meu cérebro,
não possuo nenhuma doença que me predisponha a tomar coca com ou sem gelo e
limão, nem possuo alguém me coagindo a escolher uma destas opções. Esta definição de liberdade é a que usamos para falar de liberdade política, por exemplo, liberdade de expressão e liberdade de pensamento, e é suficiente para isto.

Mas mesmo que o processo seja aleatório (aparentemente
alguns processos quânticos são mesmo aleatórios) isto ainda não seria estritamente
livre-arbítrio. Agir obedecendo algum processo aleatório não é agir de forma
livre. Uma moeda é livre por ela poder cair em cara ou coroa?

A aversão da maioria das pessoas a este tipo de constatação
é porque frequentemente ouvimos gente de esquerda, os famosos justiceiros
sociais, defendendo criminosos com base em sua falta de liberdade (“a sociedade
o fez assim”). Primeiramente, isto é apenas parcialmente verdadeiro, pois a
genética determina grande parte do comportamento e personalidade de uma pessoa,
o que também não é realmente escolhido pela pessoa, nada é. Mas, ao contrário
do que os justiceiros sociais querem passar, isto não significa que qualquer
pessoa possa ser recuperada,  isto obviamente não é verdade, e criminosos perigosos não devem ser deixados à solta na sociedade. E também não muda o fato de
que é preciso que seja imposta uma punição para desencorajar comportamentos criminosos,
exatamente porque as pessoas são determinadas – em parte – pelo seu meio
social.

Em teoria, chegar a esta conclusão deveria fazer de uma
pessoa tolerante, a conclusão é de que não há motivo para ficar com ódio de
ninguém, e de fato nem para condenar moralmente alguém por algo, não mais do
que condenaríamos um lobo que devora um cordeiro ou um doente mental que mata
alguém durante um surto psicótico. Pensando bem, não deveríamos odiar Trump, nem Bolsonaro, nem Hitler,
nem o trombadinha da esquina… Mas eu odeio, e desprezo certos grupos mesmo
assim. Se alguém é babaca, eu vou odiar essa pessoa por ser babaca, independente
dela ter escolhido ser assim ou não. É, eu não sou perfeito. Mas não é culpa
minha, não escolhi ser assim.

Padrão
Sem categoria

Sabbah

http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/enem-e-vestibular/candidatos-sabatistas-ficam-ate-11-horas-trancados-para-fazer-enem-14439409


É ridículo o número de restrições desnecessárias às quais uma pessoa se sujeita só por acreditar em uma velha superstição idiota, por seguir uma interpretação específica de um livro escrito a cerca de dois milênios atrás por um povo do deserto que nem sabia da existência da América ou que a Terra era redonda. Religião causa incontáveis gastos desnecessários à sociedade, e este é apenas um pequeno exemplo.

Mas quer saber? Eu não sou contra o governo permitir que eles façam o Enem após ficarem voluntariamente encarcerados numa sala por horas sem fazer nada. Sim, eu sou ateu, mas também sou liberal. Quer sofrer à toa? Fique à vontade. Se você for meu amigo, eu vou tentar ao máximo convencê-lo do contrário, mas lógico que eu não tenho a mesma empatia com estranhos, que, de qualquer forma, dificilmente são convencidos de que estão errados. Os sabatistas, contanto que não isso não atrapalhe em nada os demais, que fiquem à vontade para tornar o dia do Enem mais difícil ainda para si mesmos.

Brinde pra vocês:

https://youtu.be/0lVdMbUx1_k

Padrão
Sem categoria

A Educação No Brasil é Muito Radical?

Não, é claro que não.

Mas calma, não entrei para a turma dos “isentões” que tentam convencer todo mundo de que
socialistas/comunistas/suzi não existem mais, e todos os numerosos relatos e provas
de doutrinação ideológica nas escolas públicas e particulares do Brasil são na
verdade uma grande conspiração da direita.

Mas isto não significa que o ensino nas escolas, de humanas
especificamente, seja radical ou “revolucionário”. Na verdade, estes professores
(que eu quero frisar, não são todos) possuem um tipo de acordo tácito com as
escolas: Você ensina para os alunos a sua ideologia porra loca, ensina eles a
votarem nos seus candidatos porra loca, mas em troca os condiciona a serem
ovelhinhas obedientes que cumprem regras e normas infalivelmente, andam sempre na
linha, sempre fazendo o que o grupo acha melhor.

Nas aulas de filosofia, ensinam um pastiche de Sócrates e
Kant para dizer que o certo é sempre obedecer às leis e as regras e, no máximo,
sugerir educadamente alguma mudança. Veja a que conclusão absurda chegamos com
o imperativo categórico kantiano: Se um assassino estiver batendo à porta de
sua casa, querendo matar seu amigo, e perguntar se o seu amigo está, você
estaria errado em mentir! Velha ladainha de “se todos mentissem…”. Claro,
foda-se a vida do seu amigo, agradar ao fantasma de Kant é mais importante. E o
filho da mãe que ensina isso nem se dá ao trabalho de ensinar porque esta
conclusão absurda está errada, porque ele acha que não está errada, nós é que
não estamos evoluídos o bastante para entender porque o imperativo categórico
vale mais do que a vida do seu amigo. Quanto a mim, o imperativo que se foda,
prefiro o fantasma de Kant puxando meu pé à noite que ter um amigo morto.

E quanto à Sócrates, que preferiu ser executado injustamente
ao invés de fugir?

Em todos os países, alguns mais do que outros, existe um
descompasso entre o que lei e prática diária, e isto é bom. A verdade é que
liberdade de pensamento e de expressão não adianta nada se você não puder
experimentar coisas novas, sem permissão ou mesmo contra a vontade do Estado.
Se a maconha tivesse efetivamente deixado de existir no instante que todos os
países do mundo a proibiram, hoje jamais estaríamos descobrindo que esta planta
possui algumas propriedades medicinais importantes. E se hoje você possui
entretenimento por download ou por streaming, como Spotify e Netflix, é porque
o público, antes, sinalizou que gostaria de consumir conteúdo assim, com a “pirataria”,
os downloads em massa. Provavelmente ainda estaríamos presos às inconvenientes
e caras mídias físicas se falássemos amém à lei sempre.

Ah sim, e o que dizer dos gays, que eram proibidos de fazer
sexo no Texas até 2003, e ainda o são em vários lugares do mundo, inclusive na
Índia? Deveriam, obedientemente, respeitar a lei e manterem-se virgens até que
os poderosos tenham a boa vontade de permitir-lhes fazer o que quiserem entre
quatro paredes? Que bem, afinal, é gerado desta obediência cega a um moralismo
barato? Ah sim, afagamos o fantasma de Kant, nada importa mais.

As empresas do vale do silício que mais fazem sucesso são
aquelas que apresentam as chamadas inovações disruptivas ou perturbadoras (disruptive
inovations), talvez o exemplo mais famoso sendo o Uber. Fosse o CEO do Uber um
cordeirinho temente à lei, estaria até hoje tentando negociar com o Estado para
começar o Uber, mesma coisa como o AirBnB e tantas outras. E se Bill Gates ou
Steve Jobs antes de lançarem seus respectivos computadores pessoais, pedissem
permissão ao Estado? Inovadores de verdade fazem primeiro, preocupam-se com
permissão depois.

A verdade é que, ao contrário do que repetem ad nauseam em
suas propagandas, as escolas não querem formar cidadãos com pensamento crítico,
porra nenhuma, apenas querem te tornar um vassalo obediente, que lambe até as
bolas do chefe. A única “ética” que se aprende de verdade dentro daqueles muros
é a do “manda quem pode, obedece quem tem juízo” as outras só são para apreciar
intelectualmente, não para empregar na prática.

Só ensinam a se revoltar pelo que eles dizem para se
revoltar, seja o racismo, a desigualdade social, ou a depredação da natureza,
mais ou menos como nos dois minutos de ódio do 1984.

A escola é a organização mais reacionária, atrasada,
tecnofóbica e conformista no mundo, ambiente análogo a um presídio ou um campo
de concentração. Na verdade, não é problema nenhum o professor ser de esquerda,
mesmo de extrema esquerda, a esquerda é muito afeita à prática de pregar algo diametralmente
oposto ao que se faz, exatamente o que as escolas querem que seus alunos
aprendam a fazer.

Tem que ser assim? Talvez, esta é a conclusão triste do meu
post.

Anarquia (seja a vertente clássica “bandeira preta”, a capitalista,
ou qualquer anarquia) jamais pode ser pregada para o público, não é para
qualquer um, não é uma coisa democrática. A maioria dos anarquistas são idiotas
que se acham muito revolucionários pondo fogo em sacos de lixo e chutando
placas. Os limites de velocidades das ruas, evidentemente, são feitos pensando
nos motoristas menos experientes, o menor denominador comum, sem falar nos
bebuns e nos simplesmente irresponsáveis. Qualquer motorista com um bom tempo
de volante sabe muito bem a velocidade em que está seguro na pista, que é muito
maior do que aquela das placas. Mas, tire os limites de velocidade, e os
idiotas vão tirar racha à 200 km/h.

Padrão