filosofia

Tecnofobia

but_pepperidge_farm_aint_just_gonna_keep_it_to_pepperidge__5c6a319f9b808bca3f929f02bc45f1b8

Detesto profundamente tecnofobia e tecnofóbicos. Tecnologia é fantástica, em especial aquela que é prática, barata e e eficiente: Você gasta menos tempo com o que não é importante e dedica mais tempo ao que é importante, seja para lazer ou produtividade. Se nos anos 90, década da minha infância, alguém dissesse que no futuro seria possível fazer videochamadas, até mesmo na rua, com um aparelho portátil, a lá Os Jetsons, o prognóstico logo seria ridicularizado como um sonho fantasioso, no máximo um luxo para milionários, pensariam. Surpresa: Hoje isto acontece, e está acessível a grande parte da população; se não na rua – devido às velocidades altas e preços baixos do 4g – no wi-fi não é difícil. Mas parece que todo mundo vê isto como totalmente supérfluo. Que triste.

Ok, eu sou obrigado a admitir que nem tudo que é “tecnológico” é bom ou útil, e que videochamadas não são imprescindíveis no cotidiano, apesar de serem legais. Mas por que esta fixação com papel?! Voltando aos anos 90, se dissessem ao Anomalouzinho que no futuro ele poderia usar notebook para fazer anotações de aula, ele acharia isto formidável e acreditaria, mas não acreditaria se dissessem que ele seria único da sala a fazer anotações num notebook não por ser o único que tem, mas porque os outros preferem papel. Adivinha só…

Atualmente eu trabalho de dia e faço um curso de história à noite. A maioria dos meus colegas têm notebook. Todos menos eu preferem fazer seus garranchos em calhamaços de papel espiralados a fazer anotações ligeiras num editor de textos, salvas na nuvem para que fiquem logo disponíveis para serem consultadas no celular ou no computador de casa. E o que dizer de agendas de papel, estes fósseis de uma era pré- smart phone, que já deveriam ter sido abolidas. E quase todos os meus colegas são bem mais jovens que eu. “Esta geração mais nova já nasce conectada com o mundo virtual…” meu pau de óculos. Até gerenciar uma pasta compartilhada para arquivos de aula é complicado demais. Sabem o mais superficial possível, e possuem uma adoração por soluções arcaicas, sequer pensam na possibilidade de usar a tecnologia que já têm para fazer as coisas de uma forma mais moderna, limpa e rápida; não dão chance ao novo por puro tradicionalismo e preguiça mental. E eu que sou velho.

Mas talvez você seja moderno também: Prefere pedir comida no iFood que perder alguns minutos no telefone conversando com um atendente entediado (e meio surdo), prefere acompanhar notícias na internet do que se sentar na frente da TV, que aliás serve para jogar e assistir séries por streaming, não para assistir canais de TV abertos ou à cabo. E os eBooks, que maravilha! Ler confortavelmente um livro de 500 páginas na cama com as luzes desligadas, fazer grifos e anotações sem sujeira e poder acessá-las onde quiser, comprar livros pelo mesmo preço dos de papel, que não ocupam espaço na casa nem pesam na mochila, sem ter que pegar o carro e ir até o shopping e esperar na fila da livraria. Muito bacana, não? Auto lá! Há quem repudie nosso estilo de vida e principalmente as empresas que o possibilitam.

https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/04/escritor-faz-manifesto-com-sete-razoes-para-ser-contra-a-amazon.shtml

Neste longo e tedioso artigo, o escritor espanhol Jorge Carrión (Catalunha ainda é Espanha) faz um longo e tedioso protesto contra a maligna Amazon. O texto, provido de uma generosa dose de antiamericanismo e anticapitalismo – naquela vibe Tempos Modernos – repudia a megacorporação e seu CEO Jeff Bezos – homem mais rico do mundo – por ter vilipendiado o mercado editorial e livreiro  e o próprio hábito da leitura com sua nefasta mentalidade capitalista que está sempre em busca de novas tecnologias que acelerem o processo de produção e de entrega. Cada palavra de seu lamento é permeado por um sentimento de nostalgia imbecil, daquela que não se conforma em lembrar com carinho as lembranças do passado, mas considera qualquer mudança nele uma corrupção, uma afronta a um valor romântico de valor inestimável, além é claro de “alienar” e “mecanizar” o homem e funcionar de uma forma tão abstrata que todo processo parece invisível, simplesmente não se conforma que as pessoas queiram soluções mais modernas que economiza tempo em dinheiro, não, isto é doença, de uma forma que só ele e seus compadres entendem.

“Graças a toda essa tecnologia da eficiência e da imediatez que o prédio agora abriga, Barcelona já é uma das 45 cidades do mundo em que a empresa garante a entrega de seus produtos em uma hora.” Ele escreve como se acusasse um grave crime: “Meu Deus, as pessoas vão receber no mesmo dia o que compraram na internet, que pesadelo, o povo jamais se recuperará deste grande trauma!” Eu, você, e o cidadão catalão agraciado pela agilidade da entrega, não fazemos a menor ideia do que há de errado, porque nós somos uns pobres operários ou pequenos burgueses alienados que deveríamos nos atentar aos perigos que intelectuais como ele, em sua torre de marfim, estão alertando, e com os quais só eles mesmos se importam.

Os mesmos clichês de sempre: A textura e o cheiro do papel, a experiência de abrir um livro pela primeira vez… Na boa, ninguém nunca se importou, ou ao menos não tanto. Quase todo mundo que se formou numa faculdade brasileira leu boa parte do que precisou em xerox, que de romântico não tem nada, o que importa sempre foi o texto, não onde está sendo lido. E mesmo com os livros de verdade, já há muito tempo o processo de editoração é inteiramente computadorizado; todo processo que que acontece até as letras serem gravados em papel é digital. Mas Jorge Carrión e outros dinossauros como ele (inclusive dinossauros de 19 anos) aparentemente não se importam que haja computação em todo processo de produção de um livro, contanto que não vejam os computadores. Parece que gostam de se alienar também…

Todos carregamos implantes.

Todos dependemos dessa prótese: nosso celular.

Todos somos ciborgues: bastante humanos, um pouco máquinas.

Mas não queremos ser robôs.

Ciborgue com muito orgulho! Um ciborgue que tem o acesso ao conhecimento do mundo em um aparelho leve que cabe confortavelmente no bolso.

Quanto à Amazon, ela inegavelmente tem muitos podres, principalmente no que tange ao tratamento de seus funcionários. Como qualquer empresa, ela faz coisas boas e ruins – aliás como qualquer pessoa – e deve ser responsabilizadas pelo que fazem de mal, e pressionada a melhorar. Mas o benefício que ela produz ao mundo todo é mais importante que o mal. Uma crítica séria e pertinente à Amazon ou qualquer outra empresa deveria apontar objetivamente as práticas condenáveis, quais punições são cabíveis e como o consumidor deveria agir… Mas condenar uma empresa porque ela preza por eficiência, rapidez e redução de custos é burrice. Aliás, o dinossauro espanhol está longe de ser o único crítico da Amazon por motivos banais. Donald Trump também a detesta, acusando a empresa de dar prejuízo para o correio americano (não é verdade), uma nesga certamente motivado pelo fato do Washington Post, um dos jornais mais críticos ao presidente, ser também uma empresa de Jeff Bezos.

7) Porque não sou ingênuo:

Não: não sou.

Não sou ingênuo. Assisto a séries da Amazon. Compro livros que não poderia conseguir de outra maneira na iberlibro.com (que pertence a abebooks.com, que em 2008 foi comprada pela Amazon). Busco constantemente informação no Google. E constantemente ofereço a ele meus dados, mais ou menos maquiados. E ao Facebook também.

Sei que são os três tenores da globalização.

Ingênuo não,  hipócrita, que abomina a modernidade, a globalização, a tecnologia e a lógica de mercado, mas vive confortavelmente com tudo que há do bom e do melhor que ela tem a oferecer (menos ebooks) inclusive aquilo que considera fútil. Se você realmente é contra a sociedade moderna, capitalista e tecnológica, então deveria fazer como Ted Kaczynski, vulgo Unabomber, único crítico da modernidade coerente de que já ouvi falar: Brilhante matemático, e profundamente incomodado com os males da modernidade, abandonou sua carreira acadêmica para viver em uma cabana de madeira na floresta, sem eletricidade, com uma máquina de escrever como única coisa tecnológica, com a qual escrevia seus manifestos, visto que se os fizesse por escrito, poderia ter sua caligrafia reconhecida (e ainda é mais moderno que os meus colegas). Faça como ele, vá morar no meio do mato. Só por favor não imite a coisa de fazer bombas e mandar pelo correio.

Anúncios
Padrão
filosofia, Política

Marielle Franco

“Posso não concordar com nenhuma das palavras que você diz. Mas defenderei até a morte seu direito de dizê-las” – Voltaire

Tenho algumas palavras a dizer sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro. É verdade que não tenho absolutamente nenhuma simpatia por sua linha ideológica, seu partido ou suas ações na política, considero-os uma força retrógrada para o rumo político do Brasil. Mas nada disso tem importância a partir do momento que ela foi assassinada. E mais: Foi assassinada pouco depois de fazer um comentário justo criticando a ação abusiva de policiais no Rio de Janeiro. Na verdade, nem sequer interessa se o comentário foi justo ou não. Ser a favor da liberdade de expressão significa ser a favor de qualquer um falar o que quiser – por mais errado que seja – sem ter de pagar com a vida. Palavras devem ser combatidas com palavras, não com balas. Este crime foi também um crime contra a liberdade de expressão, independente da vítima ter sido ou não uma figura da política. Mas este detalhe também tem uma implicação importante.

Não adianta fingir que o assassinato de um vereador é igual a qualquer outro assassinato, fingir que não é mais digno de nota que o de qualquer outra pessoa. E quero frisar, abomino o PSOL e seus partidários da esquerda pós-modernista, que trabalham para transformar o Brasil na próxima Venezuela. Mas a preocupação não é com eles, e sim com a democracia como um todo. Podemos e devemos combatê-los da maneira certa, civilizadamente, não com sangue. Custou muito para se remover o derramamento de sangue da política. A democracia representativa moderna, do estado democrático de direito, com todas as suas mazelas, ainda é melhor que todas as alternativas. A Modernidade não é uma garantia eterna. Atos primitivos, tais como assassinato político, são algo digno de sociedades retrógradas, como as do oriente médio, que ainda não teve seu iluminismo; e se começarem a se tornar comuns, facilmente ficamos iguais a eles.

Padrão
filosofia, Humano, Política, sociedade

Um Manifesto Contra os Inimigos da Modernidade – Parte 1

Título Original: A Manifesto Against the Enemies of Modernity
Autores: James A. Lindsay e Helen Pluckrose, para a Areo Magazine
Texto original:
https://areomagazine.com/2017/08/22/a-manifesto-against-the-enemies-of-modernity/

Tradução por c0Anomalous, autorizada pelo editor chefe da Areo Magazine, Malhar Mali. Revisão: Mayumi Busi.

Um agradecimento especial a Malhar Mali pela atenção e autorização, e à minha amiga Mayumi Busi, estudante de ciências sociais, que revisou a tradução.

Esforcei-me para ser o mais preciso possível, conservando quase integralmente a escolha dos autores quanto a aspas, parênteses, itálicos, e maiúsculas para certos termos; fazendo o mínimo necessário de ajustes para a sintaxe portuguesa. Coloquei entre parênteses o termo original quando não encontrei uma tradução exata, e Mayumi ajudou a alisar as arestas. Se ainda assim houver erros, por favor, não deixe de aponta-los nos comentários. Segunda parte em breve.

Continuar lendo

Padrão
filosofia, história, Humano, Política, Sem categoria, sociedade

Um Manifesto Contra os Inimigos da Modernidade

salon_de_madame_geoffrin

LEMONNIER, Anicet-Charles-Gabriel (1812): “No salão da madame Geoffrin em 1755”.

https://areomagazine.com/2017/08/22/a-manifesto-against-the-enemies-of-modernity/

Um dos ensaios mais inspiradores que li em 2017, recomendo a todos que também gostam do mundo moderno. E acredite: Você gosta, mesmo que não tenha nem pensado nisto. Ela trouxe muito mais do que conforto e luxos, e beneficiou muito mais do que os mais ricos. E você certamente não deseja sua destruição. Nosso mundo tem problemas, muitos. Mas estes problemas só serão resolvidos ou diminuídos com mais ciência, política mais democrática e eficiente, mais liberdade individual e mais liberdade de mercado, não com menos. Não tenho qualquer plano mirabolante de como resolvê-los, não sei como exatamente criar um mundo melhor, e ninguém tem. Mas certamente não será fazendo-o mais ignorante, pobre e autoritário. Infelizmente, muitos sabotadores estão tentando destruir aquilo que foi tão demorado e custoso para a humanidade construir. Estou falando dos conservadores – reacionários – teocratas da direita, iludidos por sua idílica imagem de um passado áureo em que tudo era perfeito, bem como dos esquerdistas pós-modernos que acham que o modernismo falhou e estamos vivendo sua ressaca. Nenhuma dessas ideologias trará nada de bom ao nosso mundo.

Os autores elaboraram um sumário em itens com as ideias centrais do ensaio, que traduzi. Leia abaixo. Caso haja interesse, posso traduzir o texto na íntegra, e ficaria feliz de fazê-lo.

  • A Modernidade, em termos das visões e valores que nos trouxeram fora do feudalismo do período Medieval e nos levaram à relativa riqueza e conforto de que que gozamos hoje (e que está rapidamente se espalhando pelo mundo), está sob ameaça de extremos em ambos os lados do espectro político.
  • Vale à pena lutar pela modernidade se você desfruta e deseja que outros desfrutem dos benefícios de uma existência de primeiro mundo em relativa segurança, e com os altos níveis de liberdade individual que pode se expressar em sociedades funcionais.
  • A maioria das pessoas apoiam a Modernidade e desejam que seus inimigos antimodernos se calem.
  • Os inimigos da Modernidade atualmente formam duas facções discordantes – os pós-modernos à esquerda e os pré-modernos à direita – e no geral representam duas visões ideológicas para rejeitar a Modernidade e os bons frutos do Iluminismo, razão, democracia republicana, Estado de Direito, e o mais próximo do que podemos alegar ser progresso moral objetivo.
  • Parceria esquerda-direita é a ferramenta pela qual eles condenam a Modernidade e continuamente radicalizam simpatizantes para escolher entre duas facções beligerantes de anti-modernismo: Pós-modernismo e pré-modernismo.
  • Uma posição centrista “Novo Centro” é bem-intencionada, representa a política da maioria da população, e não se sustenta. Ela é naturalmente instável e reforça o próprio pensamento que perpetua nosso atual estado do que chamamos pelo termo polarização existencial.
  • Aqueles que apoiam a Modernidade devem apoiar destemidamente e sem referência a diferenças partidárias menores espalhadas pela divisa “liberal/conservador”. A luta perante nós é maior que isto, e os extremos em ambos os lados estão dominando o espectro político usual, para o mal de todos.
  • Pode-se lutar pela Modernidade, e isto é provavelmente o que você já deseja, a não ser que esteja nos grupos periféricos de lunáticos à esquerda ou à
    direita.
Padrão