filosofia

Caretice

“O passado é um país estrangeiro”, disse o historiador Peter Burke. E, ao que nos parece, um país estrangeiro extremamente opressor nas leis e nos costumes, em que todo mundo era puritano e vivia reprimido, a arte era censurada em nome da moral pública, e em suma, tudo que era bom era proibido (e tudo que era proibido era bom). Hoje lembramos com alívio e uma ponta de escárnio dos meados do século XX, quando Elvis só podia ser mostrado na televisão da cintura pra cima, as mulheres só podiam ir à praia com aqueles maiôs ridículos que cobriam quase o corpo todo, e nos filmes era proibido – dentre inúmeras outras restrições – até os atores falarem palavrão, tanto que até mesmo a frase “Frankly, my dear, I don’t give a damn” (“francamente, minha cara, eu não dou a mínima”) foi complicada de incluir no roteiro de E O Vento Levou.1

No Brasil, como já ouvimos  ad nauseam nas aulas de história, a tacanha censura do regime militar bania tudo que era julgado subversivo ou imoral, e quando uma obra suspeita não era proibida inteiramente, exigiam que o material fosse amputado: Em um caso emblemático, já no finalzinho do período, em 1982, a censura federal obrigou uma gravadora a arranhar as duas últimas faixas de um disco para que pudesse ser vendido, faixas consideradas muito subversivas, perigo à ordem pública. Os filmes frequentemente saíam picotados para excluir tudo aquilo que fosse considerado demais para a cabeça do público. Laranja Mecânica só foi exibido em cinemas brasileiros anos depois de sua estreia na Inglaterra, e com bolas pretas inseridas na película em certas cenas, para cobrir certos detalhes anatômicos dos atores. E na própria Inglaterra, Laranja Mecânica continuou banido dos cinemas e videolocadoras até 1999, mas isto também foi por desejo do próprio Kubrick, que até recebeu ameaças de morte por seu filme…

Naturalmente que, apesar destes factoides serem verídicos, esta visão –  meio idílica meio distópica – do passado construída a partir deles é enviesada e pouco realista… Mas o que eu me pergunto hoje, em meu vigésimo nono aniversário, já sentindo um certo estranhamento quanto ao mundo moderno e suas taras,  é se os jovens do futuro não farão o mesmo tipo de julgamento quanto à sociedade de hoje. Na média, estamos mais livres?

Imagino um diálogo em 2050 de um avô com seu netinho, que eu provavelmente não estarei vivo para presenciar. (ainda bem?)

Continuar lendo

Anúncios
Padrão
filosofia, Política

Marielle Franco

“Posso não concordar com nenhuma das palavras que você diz. Mas defenderei até a morte seu direito de dizê-las” – Voltaire

Tenho algumas palavras a dizer sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro. É verdade que não tenho absolutamente nenhuma simpatia por sua linha ideológica, seu partido ou suas ações na política, considero-os uma força retrógrada para o rumo político do Brasil. Mas nada disso tem importância a partir do momento que ela foi assassinada. E mais: Foi assassinada pouco depois de fazer um comentário justo criticando a ação abusiva de policiais no Rio de Janeiro. Na verdade, nem sequer interessa se o comentário foi justo ou não. Ser a favor da liberdade de expressão significa ser a favor de qualquer um falar o que quiser – por mais errado que seja – sem ter de pagar com a vida. Palavras devem ser combatidas com palavras, não com balas. Este crime foi também um crime contra a liberdade de expressão, independente da vítima ter sido ou não uma figura da política. Mas este detalhe também tem uma implicação importante.

Não adianta fingir que o assassinato de um vereador é igual a qualquer outro assassinato, fingir que não é mais digno de nota que o de qualquer outra pessoa. E quero frisar, abomino o PSOL e seus partidários da esquerda pós-modernista, que trabalham para transformar o Brasil na próxima Venezuela. Mas a preocupação não é com eles, e sim com a democracia como um todo. Podemos e devemos combatê-los da maneira certa, civilizadamente, não com sangue. Custou muito para se remover o derramamento de sangue da política. A democracia representativa moderna, do estado democrático de direito, com todas as suas mazelas, ainda é melhor que todas as alternativas. A Modernidade não é uma garantia eterna. Atos primitivos, tais como assassinato político, são algo digno de sociedades retrógradas, como as do oriente médio, que ainda não teve seu iluminismo; e se começarem a se tornar comuns, facilmente ficamos iguais a eles.

Padrão
trivialidades

Pula Pirata

satander

Não posto há algum tempo, mas desta vez não é por nenhum problema pessoal ou coisa do tipo, não estou de férias do Computações Anômalas, na verdade, estou trabalhando num novo post especial, da série Qualia, que está sendo escrito com muito esmero, e quero fazer mais um pouco de pesquisa antes de concluí-lo.

Ah, mas quanto à polêmica do Queer Museum, da “exposição pornográfica” patrocinada pelo Santander, com apoio da Lei Rouanet… Só vou dizer duas coisas:

  1. O que eu vejo com a repercussão é um monte de pirata pulando do navio quando chega a vez deles entrarem no barril.
  2. Esse Queer Museum é fichinha perto de uma peça do Zé Celso. Pelo menos algumas das obras faziam sentido.

 

Padrão
ética, Educação, filosofia, Humano, Política, sociedade

Quem Gosta de Liberdade de Expressão?

9801708

Será que alguém gosta de verdade?

Vou começar com uma piada. Cretina, mas serve para ilustrar a  questão, eu prometo:

O pirata novato, em seu primeiro dia na tripulação, pergunta ao outro pirata: “Mas afinal, nós vamos ficar meses em alto-mar, sem nenhuma mulher por perto… Como vocês costumam fazer para aliviar a vontade sexual?” E o outro pirata responde “Ah, é só ir lá naquele barril e enfiar o seu pinto no buraquinho. Experimente, é uma delícia”. O pirata foi, e achou uma sensação deliciosa aquele buraquinho, sensacional, poderia aguentar a viagem numa boa daquele jeito. E foi ao barril novamente no dia seguinte, no outro, e no outro… Até que chegou segunda-feira, e ele acordou sendo carregado pelos outros piratas para o convés. “Ei, o que está acontecendo?” Pergunta o pirata novato. “Hoje é seu dia de ficar no barril”.

E o problema da liberdade de expressão? É que só se é a favor dela até chegar a vez de ficar no barril. É como democracia, no fundo ninguém gosta muito. O cristão, que vive reclamando da mordaça do politicamente correto, só aceita liberdade de expressão enquanto não diz nada desagradável sobre a religião dele, e de preferência que também não ofenda a moral e os bons costumes, porque afinal, liberdade de expressão tem limites, os limites deles. Para parecer razoável, até diz que as outras religiões também tem direito de se expressar. Nossa, quanta gentileza! E os ateus? Ah, tudo bem, contanto que se expressem entre si apenas. Inclusive, são cheios de protestos contra a doutrinação nas escolas, mas são cheios de querer meter a bíblia no meio das apostilas. Professor de biologia dar aula de criacionismo, aí sim é liberdade de expressão. Só que liberdade de expressão por conveniência não merece ser assim chamada. Se nunca é sua vez de ficar no barril, então você não é à favor dela.

Continuar lendo

Padrão

Para quem quiser uma análise bastante detalhada desta recente polêmica, recomendo este vídeo. Já escrevi bastante sobre estes assuntos em alguns posts, linkados abaixo, e não vou me aprofundar nesta polêmica específica. O que vou dizer apenas é que é abominável demitir uma pessoa por ela ter expressado sua opinião sincera no âmbito desta empresa, por ter feito uma crítica, ainda que possa haver equívocos em tal opinião, punir alguém por ter expressado uma opinião diferente ou mesmo uma opinião equivocada é um exemplo crasso de intolerância. Liberdade de expressão não é falar só o que a sua organização ou a sua sociedade julga adequado.


Preconceito Pode Ser Bom? E a Tolerância?

Feminismo – Três Lados da Moeda

ceticismo, farsas, filosofia, história, Humano, política, sociedade

Pós-Verdade é uma Nova Mentira

catch-me-if-you-can

Ou será tão nova? A palavra composta certamente é, junto do termo “fatos alternativos” empregado pelo departamento de marketing de Trump para tentar justificar sua visão das coisas, por exemplo, a posse de Trump, que segundo estatísticas confiáveis, teve muito pouco público, mas para Trump, teve muito, e isto é um fato alternativo, não uma mentira. Mas o meme para mim é velho, com eufemismo novo.

Primeiramente, gostaria de deixar claro que escrevo este post, e todos os demais, partindo de uma premissa que julgo razoável, necessária, e auto evidente:

“Existem fatos que todas ou quase todas as pessoas mentalmente sãs e inteligentes concordam, quando julgando de maneira fria, impessoal e desinteressada. Estes fatos são verdadeiros, são verdades objetivas, e apesar de não ser fácil, não é impossível obter estas verdades, julgando de maneira fria, impessoal e desinteressada, no interesse apenas da verdade.”

Para mim isto é uma obviedade. Se você não concorda, então por gentileza saia do meu blog e volte a entulhar sua mente com Foulcault, Baudrillard e seus asseclas.

Os eventos políticos mais importantes de 2016, o Brexit e a eleição de Trump, vistos como exemplos tragicamente explícitos da irracionalidade das massas, fizeram muitos se perguntarem se acabou a era da objetividade e da razão, se agora já não entramos numa era em que cada um tem sua verdade particular condizente ao próprio gosto, e o mercado, sempre atento aos caprichos de seus clientes, vende fatos que a clientela quer, como sintetiza William Davies, um colunista do The New York Times, falando sobre os institutos de pesquisas, sempre apresentando as estatísticas que o cliente quer. William Davies deixa claro que tendência já começou há muito tempo, apesar de ter se intensificado tremendamente com a anarquia das redes sociais. O “vendedor de estatísticas” mais infame do Brasil provavelmente é o Datafolha, também conhecido como Datafalha, por suas estimativas estapafúrdias sobre números de participantes em manifestações. O número da PM é sempre muito diferente. Então, em quem acreditar? Se eu tiver um relógio em cada pulso, cada um marcando um horário diferente, eu jamais saberei dizer que horas são.

A enxurrada de informações que escoam diariamente das redes sociais (e escoam sem muito tratamento de esgoto), a montanha cada vez mais crescente de informações com pouco ou nenhum embasamento, e a alta seletividade (mas não do tipo bom, cético) das pessoas, que cada vez mais se fecham em bolhas de opiniões similares às próprias, estariam nos levando rapidamente a um mundo sem verdades e sem mentiras, somente com “fatos” de valor puramente subjetivo, vendidos à granel? Como naquela citação atribuída a Nietzsche, “não existem fatos, somente interpretações”.  Terá o jogo Metal Gear Solid 2 (de 2001, quando redes sociais ainda eram praticamente irrelevantes) sido realmente profético ao prever que a ampla oferta de informação de má qualidade é uma conspiração para fazer o mundo cada vez mais burro?

Continuar lendo

Padrão