ceticismo, filosofia, sociedade

Os Piores Argumentos (supostamente) Contra o Ateísmo

aviao-caindo-w7-shutterstock_0

Uma grande maioria dos cristãos que conheço sequer tentam explicar crença ou colocá-la em termos racionais. “Sei lá, apenas acredito”, é o que eu costumo ouvir, e eu não debato com eles, principalmente porque eles não querem debater. Eu admito que diversos ateus, especialmente os adolescentes, são extremamente inconvenientes, petulantes, e insistem em debater  sobre existência de deus e assuntos relacionados toda hora, não falam de outra coisa, e teimam em começar debates com quem acha esse assunto chato e não quer debater, uma atitude totalmente inadequada no convívio social, que não beneficia ninguém  e acaba por afastar as pessoas do ateu em questão, além de sujar a imagem dos ateus em geral. Mas eu não respondo por todos os ateus.

Confesso que já  fui mais afoito, hoje eu sou mais reservado, apesar de minha descrença não ter oscilado nem um pouco. Ao meu ver, estes cristãos que sequer tentam colocar sua crença como racional, simplesmente acreditam, são honestos. E não entro mais em debates, não muito, porque, francamente, eu não tenho mais muita paciência para discussões, e porque pra mim o assunto já está resolvido; não há absolutamente nenhum motivo racional para crer em alguma divindade, assim como não há motivo para crer em qualquer personagem fictício. A existência de qualquer deus é desnecessária para qualquer compreensão lúcida da história e do funcionamento do mundo, ponto final. Me interesso mais atualmente por problemas que me parecem mais desafiadores, como a consciência.

Mas infelizmente há também os religiosos petulantes, aqueles que são excepcionalmente ruidosos não só quanto à sua fé mas quanto ao seu desprezo pelos ateus, e defendem seu posicionamento com “argumentos” tão toscos que é de se impressionar que ainda são repetidos, mesmo sendo tão fáceis de derrubar, mas é por serem ainda muito repetidos que eu acho interessante falar sobre eles.

Queda Livre

A predileta destes sujeitos é a história do avião caindo. “Quando o avião começa a cair, todo ateu começa a acreditar em deus”. O problema maior não é sequer a falta de evidências quanto ao que se afirma como sendo uma lei (foi feita alguma perícia em caixas-pretas de acidentes aéreos para concluir que 100% dos passageiros ateus se converteram?). Claro que existem alguns ateus que ainda têm uma centelha de dúvida.  O problema maior é que isto sequer é um argumento contra o ateísmo, ou um argumento para a existência de algum deus. A única coisa que se quer dizer com esse reclame é que os ateus não são sinceros quanto à sua descrença, e voltam a crer em momentos desesperadores. Mesmo que fosse o caso de todo ateu não ser sincero consigo mesmo, isto não significa que eles não deveriam ser sinceros, que eles não teriam razão de serem convictos.

E na verdade, o fato de alguém estar em um momento de pânico, quando já se esgotaram todas as possibilidades de se salvar, regredir para a crença religiosa, não necessariamente significa que esta é sua verdadeira crença. Pessoas em situações limítrofes frequentemente perdem a cabeça e fazem besteiras, fazem a coisa menos racional, inclusive em situações mais prosaicas que a queda de um avião, como em acidentes de carros, assaltos e incêndio. E é especialmente fácil regredir quando não se tem mais nada o que fazer, já está tudo perdido mesmo. Quando o avião está caindo, o piloto não está rezando nem ponderando questões metafísicas, está fazendo tudo que puder para salvar a tripulação, porque só ele e o copiloto realmente estão no controle e podem fazer algo. Para os passageiros, tanto faz. Em uma situação pessoal trágica, mas que permite tempo para pensar, como a descoberta de uma doença grave,  quase todo mundo recorre primeiro aos tratamentos clínicos, científicos, e só vão para o curandeirismo ou a “medicina alternativa” (que na verdade são a mesma coisa) quando já não tem mais o que fazer, ou no máximo como complemento ao tratamento médico de verdade. Inclusive os religiosos.

Ateus cagões

kennemercharliehebdoliggend

Outro discurso clichê é aquele de que os ateus só são corajosos para peitar o cristianismo, mas nunca tem coragem para peitar o islamismo, e jamais se atrevem a fazem piadas sobre esta religião. Sim, ateus fazem piadas com muçulmanos, inclusive no Brasil. E quem não lembra do trágico caso da revista Charlie Hebdo? Como alguém ainda tem a cara de pau de dizer que os ateus não fazem piada do islamismo depois que alguns foram mortos por fazer?!

E além do humor, vários ateus já criticaram seriamente o islamismo. Um deles é Sam Harris, que em seu livro de 2004 The End of Faith (O Fim da Fé) dedica um capítulo a criticar duramente o islã, e duramente é a maneira correta de tratar o assunto, pois se trata da religião mais perigosa do mundo. Danem-se os politicamente corretos que acham que todas as religiões são lindas e fofinhas e merecem ser respeitadas por igual. E principalmente, danem-se os ateus que acham que temos que criticar todas as religiões por igual, democraticamente. O perigo representado pelo islamismo no mundo é desproporcionalmente maior que o das demais religiões.

Os radicais islâmicos não seguem uma “vertente distorcida” do islã, como apresentadores de jornal adoram dizer, quando não usam da velha falácia do escocês de verdade e afirmam que “não são muçulmanos de verdade”. Isto é como dizer que uma velhinha que faz procissão em Aparecida do Norte não é católica de verdade. Eles são os que a seguem mais fielmente os mandamentos de sua religião, e contam com o apoio tácito de uma considerável parcela dos bilhões de seus correligionários “moderados”. Isto não é motivo para hostilizar o sr. Ahmed da esfiharia, ou a Jade, que vai de véu para o escritório. Isto é, não há justificativa para desrespeitar indivíduos muçulmanos que não fazem nada de errado.

Podemos acreditar que alguém segue uma ideia perigosa, e atacar sua ideia, mas não sua pessoa, não enquanto não faz mal a ninguém. Eu também já acreditei e certamente ainda acredito em muita merda, nem por isso mereço levar uma cuspida na cara. Atacar ideias, com humor ou com discurso sério, não significa atacar a pessoa daqueles que acreditam nela.

É verdade que o cristianismo já foi tão violento quanto, e também é verdade que hoje há relativamente pouca violência cometida em seu nome, por fiéis fanáticos. “O cristianismo foi domesticado”. Aqueles valores que os cristãos de hoje chamam de valores cristãos, aparentemente, os cristãos aprenderam com os iluministas secularistas no século XVIII. Felizmente, a bíblia é um texto muito vago, repleto de ambiguidades, e pode ser interpretado de mil e uma maneiras. O Corão e o Hadith (textos sobre a vida do profeta Maomé, também canônicos para os muçulmanos de todas as vertentes) têm uma linguagem muito mais explícita e menos aberta a interpretações. Não é realista querer abolir o islã, mas ele precisa ser reformado, como outras religiões foram. O que é um grande desafio, pois se trata de uma religião quase impermeável a novidades. Os terroristas muçulmanos de hoje são como católicos do século XIV com armas de século XXI. Não é à toa que muitos ateus não têm a coragem de Sam Harris e se privam de criticar ou ridicularizar o islã.

E como no caso do avião, este argumento falha porque também não é um argumento contra o ateísmo. É apenas um insulto aos ateus em geral, chamando-os de covardes; mesmo que seja verdade que muitos ateus se privam de falar do islã por medo, isto não significa que estejam errados em ser ateus. E não é um insulto justo: Você acha que todo mundo tem o dever de morrer pelo que acredita ou não, que quem não arrisca a própria vida inutilmente por suas crenças não merece ser levado em consideração?

Faço uma analogia: Imagine que no seu bairro haja um sério problema com o tráfico, que ameaça a segurança de todos os moradores. Há trocas de tiro, balas perdidas, o barulho à noite não deixa ninguém dormir, os traficantes têm tão pouco respeito pelos moradores que usam suas casas sem permissão para esconder drogas. Então eu digo pra você “Ah, você odeia mesmo o tráfico do bairro? Quero ver ir lá dar dois tapinhas na cara de um deles e colocá-lo em seu devido lugar!”. Martírio é um valor religioso, não ateu, não nos cobre por isso. Eu não consigo deixar de notar que nas palavras dos cristãos que provocam os ateus dessa maneira está implícito um desejo de poder fazer igual aos muçulmanos…

A Aposta de Pascal

1200px-blaise_pascal_versailles

Esta foi uma famosa apologia ao valor da crença religiosa, elaborado pelo pensador Blaise Pascal. Pascal foi um pensador de genialidade indiscutível, tendo feito contribuições, dentre outras coisas, para a teoria das probabilidades em matemática, e para a mecânica de fluídos em física. Mas, assim como vários cientistas no decorrer da história, ele empregava sua racionalidade plenamente quando estava trabalhando com ciência, e a deixava de folga quando pensava em questões metafísicas caras a si mesmo. Seu argumento contra o ateísmo, como resume a Wikipédia, é o seguinte:

  • se você acredita em Deus e estiver certo, você terá um ganho infinito;
  • se você acredita em Deus e estiver errado, você terá uma perda finita;
  • se você não acredita em Deus e estiver certo, você terá um ganho finito;
  • se você não acredita em Deus e estiver errado, você terá uma perda infinita.

É mais vantajoso acreditar em deus. Sem dúvida um argumento mais “elegante” que os outros dois, e um que pelo menos dá pra chamar de argumento sem aspas. Mas ainda está errado, e ainda não é um argumento que defende que os ateus estão errados. Desde quando a vantagem em acreditar em alguma coisa é argumento para a verdade desta coisa? Pode ser mais vantajoso acreditar em Deus, mas isto continuar sendo uma ilusão. Aliás, como eu posso simplesmente passar acreditar em algo que atualmente não acredito por conveniência? Se eu achasse que seria muito bom para mim acreditar na teoria da Terra plana, eu poderia? Aliás, o que significa possuir uma crença? Bem, isto já é assunto para outro post…

Mas a aposta de Pascal também falha ao fazer uma falsa dicotomia. Um devoto católico, Pascal neste argumento parece levar em conta que existem apenas duas possibilidades: Ou se é ateu, ou se acredita em Deus, que seria a possibilidade totalmente segura. Em qual dos incontáveis deuses que já foram inventados? E de qual das incontáveis maneiras de se adorar a deus se teria esta garantia de ganho infinito? Os muçulmanos – do tempo de Pascal e do nosso – são igualmente convictos em sua ideia de deus e suas leis, e não há nenhum parâmetro confiável para ver quem está certo. E se eles estiverem, e neste caso Pascal foi para o inferno por ter sido católico? Existem muitas crenças religiosas no mercado, algumas inclusive com muita história e tradição atrás de si, e todas oferecendo alguma recompensa no além túmulo para os seguidores fiéis, e a maioria prevendo algum castigo para os seguidores de outras religiões. mas seus dogmas não são mutuamente compatíveis. Todas possuem exatamente o mesmo grau de credibilidade, isto é, nenhum. Viva como se deus ou qualquer ordem metafísica não existisse, esta é a única aposta razoável.

Mas se você acredita de todo jeito, “porque sim”, tudo bem. Eu tenho minhas dúvidas quanto à essa coisa de “liberdade religiosa”. Não sou contra uma pessoa ter o direito de seguir acreditando no que quiser sem ser importunada, de forma alguma. Só sou cético quanto a tratar a suposta escolha de religião como se fosse a mesma coisa que escolher comprar um Xbox ou um PlayStation, pensando nos prós e contras de cada um. A maioria das pessoas seguem a religião da família em que cresceram, e continuam seguindo por inércia, porque nunca se deram ao trabalho ou nunca se permitiram considerar que ela pode estar errada.

Anúncios
Padrão
filosofia, Humano

Qualia 1: Mente e Corpo, qual é a dificuldade?

 

spect c0

O post de hoje é tão especial que estou o ilustrando com uma foto minha de verdade, só desta vez.

“Os anos 90 são chamados de a década do cérebro. Mas nós provavelmente nunca teremos uma década do pâncreas”, escreveu Steven Pinker em Como a Mente Funciona. Mas por que não? O pâncreas é um órgão complicadíssimo, como todos os demais do corpo humano, uma peça central do sistema endócrino, desempenha diversos papéis no metabolismo. E muitas pesquisas são feitas sobre ele, afinal, doenças do pâncreas, tais como o diabetes, provocam o sofrimento de milhões de pessoas. Steve Jobs morreu de um câncer no pâncreas. E se conseguissem criar um pâncreas artificial? Seria formidável. Ainda assim, não parece que o órgão seja interessante o bastante para suas pesquisas cativarem o público geral, muito menos marcar uma década, como foi o cérebro e sua ciência nos anos 90, com seus exames de neuroimagem avançadíssimos mostrando o que há de disfuncional nos cérebros dos esquizofrênicos e dos psicopatas, e sugerindo como poderíamos estimular o cérebro dos bebês para torna-los mais inteligentes e criativos no futuro (e talvez evitar que se tornem esquizofrênicos ou psicopatas). Nem o fígado, o estômago, ou o baço parecem ter o mesmo “carisma” e o mesmo apelo midiático do cérebro…

Afinal, eles não pensam.

Nosso senso comum parece tratar o cérebro como algo especial porque enquanto todos os outros órgãos, nossos e dos outros animais, desempenham funções apenas, o cérebro abriga ou faz ponte com a consciência, e seu funcionamento, atrelado à consciência, é especial, praticamente sagrado, intimamente ligado à identidade pessoal. Consciência aqui não é no sentido de “bússola moral” ou senso de certo e errado, como em “esses políticos corruptos não têm consciência”.  Consciência é a experiência interior, subjetiva, o “filminho na sua cabeça”, aquilo que se perde temporariamente ao dormir ou desmaiar. Consciência não é qualia. Mas consciência sem qualia não é consciência.

Continuar lendo

Padrão
ceticismo, Educação, filosofia, Humano, sociedade

Haverá esperanças para os seres racionais deste mundo? Quando eu vejo o meio acadêmico, que deveria ser um templo da razão, da investigação e debate céticos e imparciais, tornando-se um antro de (não) pensamento anticientífico, politicagem, pós-modernismo e marxismo, onde há pouco espaço para divergência e tolerância, tão pouco abertura ao debate impessoal, eu temo pelo nosso futuro. Talvez estejamos condenados a voltar às cavernas.

Link
ceticismo, farsas, filosofia, Humano

Pós-Modernismo: Para quem ainda não entendeu

Meus colegas do Universo Racionalista fizeram um novo post excelente alertando sobre este movimento “filosófico” embusteiro:

http://www.universoracionalista.org/a-farsa-intelectual-dos-pos-modernos/

Só tenho a lhes parabenizar pelo ótimo serviço. Vou trazer mais uma vez uma de minhas citações favoritas de filme, do Lucy: “Conhecimento não leva ao caos, ignorância leva.” Os charlatões pós-modernos aproveitam-se de da ignorância generalizada sobre ciência para tecer suas teorias obscurantistas que só causam ainda mais confusão. Aproveitar-se da ignorância alheia para obter vantagem (são todos contra o capitalismo, mas lucram horrores com seus livros e palestras) é a definição legal de estelionato, e em ciências, chama-se isso de má-fé ou desonestidade intelectual.

Recomendadíssimo também:

https://www.universoracionalista.org/a-quem-incomoda-o-atual-criticismo-ao-pos-modernismo-simples-a-quem-tem-medo-da-ciencia-da-razao-e-do-cientificismo/

https://www.universoracionalista.org/anticiencia-do-seculo-xv-aos-pos-modernos/

Padrão
Sem categoria

Sabbah

http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/enem-e-vestibular/candidatos-sabatistas-ficam-ate-11-horas-trancados-para-fazer-enem-14439409


É ridículo o número de restrições desnecessárias às quais uma pessoa se sujeita só por acreditar em uma velha superstição idiota, por seguir uma interpretação específica de um livro escrito a cerca de dois milênios atrás por um povo do deserto que nem sabia da existência da América ou que a Terra era redonda. Religião causa incontáveis gastos desnecessários à sociedade, e este é apenas um pequeno exemplo.

Mas quer saber? Eu não sou contra o governo permitir que eles façam o Enem após ficarem voluntariamente encarcerados numa sala por horas sem fazer nada. Sim, eu sou ateu, mas também sou liberal. Quer sofrer à toa? Fique à vontade. Se você for meu amigo, eu vou tentar ao máximo convencê-lo do contrário, mas lógico que eu não tenho a mesma empatia com estranhos, que, de qualquer forma, dificilmente são convencidos de que estão errados. Os sabatistas, contanto que não isso não atrapalhe em nada os demais, que fiquem à vontade para tornar o dia do Enem mais difícil ainda para si mesmos.

Brinde pra vocês:

https://youtu.be/0lVdMbUx1_k

Padrão
Sem categoria

O mal das meias-medidas

Este vídeo é uma animação feita com um monólogo da série da AMC Breaking Bad. Nele, o personagem Mike conta como tomar uma “meia-medida” custou a vida de uma mulher inocente, quando ele decidiu, por mais uma vez, poupar a vida do marido violento.

Não importa o que os seus avós diziam, não é sempre no meio termo que está a virtude. Ok, admito, muitas vezes é. Mas muitas vezes ao tomar uma decisão que parece ser moderada ou “entre dois extremos” (democrática) você na verdade estará fazendo algo horrível. Fazer o certo muitas vezes exige tomar uma decisão dura, que vai fazer muitos chiarem.

Isto também é conhecido como a falácia do falso meio-termo (vou resistir, não vou colocar o termo em latim, para não me equiparar a um certo filosofo falastrão que eu já critiquei no passado). Não é porque existem dois lados em uma discussão que os dois estão igualmente certos, ou que os dois mereçam o mesmo mérito e a mesma atenção.

Dizer que “cada lado tem um pouco de razão” é só algo que se diz para por fim numa discussão interminável, quando não se quer desagradar ninguém demasiadamente, o famoso pôr panos quentes. É uma atitude covarde, e não necessariamente é a que trará o melhor. Um dos males da democracia é esse, ter que fingir que todo mundo tem um pouco de razão. Não que a moda tenha surgido com a democracia.

Quer um exemplo? O Brasil foi o último país da América a abolir a escravidão, em 1888, dois anos após Cuba. O século XIX viu o movimento abolicionista crescendo no mundo todo. Enquanto isso, no Brasil, o que não faltaram foram meias-medidas, como a lei dos sexagenários (uma piada, visto que quase nenhum escravo chegava aos 60 anos) lei do ventre livre, a proibição do tráfico (famigerada lei para inglês ver), mas sem libertação dos escravos. E todos esses paliativos apenas prolongaram a instituição perversa da escravidão.

Na questão Palestina, já vi alguns “comedidos” decretarem que você está errado apenas por tomar partido, por defender Israel ou Palestina, como se o fato de dois lados estarem numa disputa há muito tempo significasse que os dois tem a mesma razão, que os dois erraram igualmente, e que você tem uma espécie de falha de caráter se achar que um é pior que o outro. Ajuda nisto a moda pós-modernista de decretar que não existe certo ou errado, e tudo é muito relativo. Parece até que tomar partido é uma coisa proibida.

Infelizmente, a maioria das pessoas não têm maturidade para distinguir o que é um ataque pessoal do que é um ataque à uma ideia na qual se acredita, e por isso mesmo crescemos ouvindo que religião, futebol e política não se discute, se tiver um posicionamento, tem que guardar para si próprio, assim temos um povo alienado, covarde, com medo de tocar em qualquer assunto considerado polêmico demais. Os políticos agradecem por você achar que política é um assunto intocável.

Esta mesma covardia (não tem outro nome) é o que torna tão difícil tratar o islamismo como o que na verdade é: A pior religião da atualidade. Muitos ateus também caem na falácia do falso meio-termo, dizendo que todas as religiões são ruins por igual e não podemos criticar nenhuma com mais ênfase do que as outras, o que é uma besteira. Não importa que no passado tenha sido uma religião tão ruim quanto as outras, o fato é que hoje é uma das ideologias mais tóxicas do mundo, motiva atentados terroristas, subjugação das mulheres, execuções por motivos banais, dentre tantas outras mazelas. Mas  a ditadura do politicamente correto não permite falar isso, tem que fingir que todas as religiões são fofinhas e do bem, e o que elas têm de ruim, têm por igual. Uma pessoa minimamente educada dizer isso chega a ser cegueira voluntária.

A falácia do falso meio-termo é também o que está por trás da insistência de alguns religiosos em querer colocar “design inteligente” (criacionismo travestido de ciência) no currículo escolar, como uma teoria alternativa. Gostam de dizer que existe uma polêmica sobre a origem da vida. Não, não existe. A teoria da evolução já é assunto fechado na ciência há cem anos. Escola não é lugar de ensinar crendice. Infelizmente, não falta quem queira instituir esta pseudociência nas escola por achar moralmente obrigatório agradar dois lados de uma discussão. Claro, talvez, em respeito aos neonazistas, também coloquemos no currículo de história a teoria de que o holocausto nunca aconteceu. Talvez também devamos colocar no currículo de geografia a teoria de que a Terra é plana.

Trump corre um sério risco de ser eleito. E não porque ele seja bom, possivelmente seu governo seria catastrófico, mas porque ele não tem medo de tomar decisões impopulares, ou até politicamente incorretas, diz o que quer e não faz questão de agradar ninguém. O povo cansou de almofadinhas como Obama que fazem de tudo para agradar a todos, e acabam não mudando muita coisa.

Padrão
ceticismo, filosofia, Humano, sociedade

Negação da ciência MATA

“Conhecimento não causa o caos, ignorância causa. ” Lucy (2013)

O título deste post não é uma hipérbole, não é um exagero retórico, realmente vidas
humanas estão sendo perdidas por negação da ciência. Ignorância mata.

No mundo subdesenvolvido, como os países miseráveis da África e da Ásia, a maior ameaça
à saúde das pessoas é a subnutrição, as condições precárias de higiene, e a
falta de acesso a tratamento médico. Em países não tão pobres, como o Brasil,
uma parte significativa da população também sofre destes problemas, mas uma
outra parte, mais rica, tem a vida ameaçada porque apesar de ter acesso à
saúde, a esnoba. Toda negação da ciência é ruim. Aqui vou tratar mais da
ciência médica, mas a atitude de negar, esnobar ou menosprezar o conhecimento
científico infelizmente costuma ser aprendido desde cedo e aplicado à todas as
áreas do conhecimento. É sempre assim, começa com criacionismo e teoria da
Terra jovem, acaba não querendo vacinar o filho. Se as pessoas aprendessem a
aplicar a dúvida crítica a todo conhecimento que recebem, como um robusto
firewall, não teríamos os problemas que eu vou descrever.

Parece que chegamos ao final de um ciclo: A medicina foi da total precariedade, até
fim do século XIX, quando ainda se confiava muito em remédios “da natureza”, e
se desenvolveu rapidamente no decorrer do século XX. E agora as pessoas esnobam
este conhecimento todo, e preferem as soluções “místicas” ou “naturais”. O que aumentou
não foi só a pesquisa, mas a oferta dos frutos desta pesquisa. E não se engane,
quem mais beneficiou a saúde no mundo não foram governos nem entidades altruístas,
mas os gananciosos donos de laboratório que queriam vender o máximo de remédio
possível. Claro que políticas públicas de saúde também são bem-vindas. No Brasil
o SUS oferece tratamentos de saúde necessários e alguns medicamentos básicos. O
serviço não é uma maravilha, mas decididamente é melhor do que nada. Só que
algumas pessoas preferem ficar com nada.

…Mas eu não quero me entupir de remédios…

 Ah se eu ganhasse um real para cada vez que eu ouvi essa frase…. Parece que virou uma
espécie de virtude cívica não tomar remédios. Os laboratórios gastam bilhões em
pesquisa, desenvolvem um medicamento que muitas vezes é barato, e que os nossos
avós nunca nem sonhariam em ter, mas as pessoas não querem nem de graça. Dizem
que quem toma remédio é igual a um drogado na cracolândia (a velha falácia da
falsa analogia) ou que é hipocondríaco. Eu conheci gente que prefere ficar se
remexendo três horas na cama toda noite do que tomar um remédio para dormir (ou
tenta aplicar técnicas de “higiene do sono” que exigem eliminar cada fóton e
cada decibel do quarto); ficar com o nariz escorrendo ou obrigar todos na sala
a sofrerem sem o ar-condicionado, ao invés de tomar um antialérgico; e tem quem
prefere ficar estourado e destratar os outros porque tem ansiedade e não quer
tomar um remédio pra isso (alguém que eu conheço muito bem é assim, e é médica
ainda por cima) e por aí vai. Isso sem falar dos que acham que é um sinal de
“macheza” não usar da medicina para nada, o que está por trás do motivo pelo
qual os homens vão ao médico muito menos que as mulheres, e morrem mais cedo.
Com a questão dos remédios para males psiquiátricos, o problema parece ser mais
grave ainda, por todo o tabu que existe ao redor de quem toma remédios
psiquiátricos, sem falar no desconforto que causa a algumas pessoas o fato da
consciência possuir uma matriz física, e um problema biológico alterar a mente.

Não, nem tudo se cura com boa alimentação e atividade física, esse mantra da sociedade
moderna. Alimentação boa e atividade física não são essa panaceia, e para
muitas coisas só remédio resolve mesmo, quando não intervenções cirúrgicas. E
eu digo remédio de verdade. Porque além das pessoas que simplesmente não tomam
nada, têm as que vão para tratamentos de mentirinha, e é aí que a coisa pega.

Existem  exatamente dois tipos de medicina alternativa: A que foi não foi provado que
funciona, e a que foi provado que não funciona. Quando um tratamento de
medicina alternativa é provado, ganha outro nome: Medicina.

“…Mas esse remédio é usado na China Há Milhares de Anos…”

 

E certamente jamais curou nada que não fosse passar sozinho de qualquer forma, ou
que pudesse ser resolvido simplesmente com descanso ou ajuda psicológica. Só
para citar um exemplo, já foram feitos experimentos com acupunturistas
profissionais vs. pessoas espetando agulhas em voluntários aleatoriamente, e os
tais profissionais curaram tanto quanto os amadores. Ah, os experimentos
duplo-cegos, estes velhos assassinos de pseudociência.

E a homeopatia, esta velha pseudociência que se nutre de conceitos obscuros para
prometer uma suposta cura inexplicável. Nenhum homeopático jamais
conseguiu uma cura estatisticamente mais eficiente do que um placebo. Mas as
pessoas continuam tomando, e no Brasil essa joça é até especialidade médica.
Deveria pelo menos mudar de nome: “Placebologia”.

Um dos problemas do Brasil é a fé, é parte do que faz este país permanecer estagnado
não apenas economicamente, mas intelectualmente. E, pior ainda, a fé, este
velho hábito de acreditar sem evidências em afirmações que contrariam o bom
senso, é tido como algo positivo, até mesmo necessário, não como o que
realmente é: Um erro que a humanidade precisa superar. Junta-se ao bonde da
pseudociência as orações, “cirurgias espirituais”, e toda essa baboseira.

Mesmo que seja verdade que algumas pessoas, como bandidos ou toxicômanos, só consigam viver sem perturbar a sociedade enquanto são religiosos, isto não diz muita
coisa de positivo sobre a fé, na verdade é praticamente admitir que se trata de
uma espécie de lobotomia.

O bom é que, normalmente, quando a doença vira coisa séria, as pessoas deixam os
tratamentos alternativos somente como um mero complemento, enquanto fazem um
tratamento médico de verdade (e claro, se melhorarem, vão dizer que foi o
tratamento alternativo ou “a bênção de deus” que teve resultado, não o trabalho
do desgraçado que estudou mais de oito anos da vida para salvar a dos outros).
Pelo menos, até aí, a coisa é só uma perda de tempo e dinheiro. Mas sim,
tiveram os idiotas que largaram tratamento de saúde para se tratar com terapias
alternativas, e nem preciso dizer que fim estas pessoas costumam ter. Chega a
ser tentador usar teorias de darwinismo social para dizer que é bom que os
idiotas morram. Mas darwinismo social também é pseudociência, e olhe como matou.

O movimento anti vacinação (antivaxxers) é uma das maiores boçalidades do mundo
contemporâneo, e existe com força nos EUA, onde anda de mãos dadas com o
fanatismo religioso, tanto que parece até que a bíblia proíbe as vacinas.
Começou com um estudo fraudulento que ligava vacinas a autismo, e mesmo depois
do pesquisador antiético ser desmascarado e descredenciado, o movimento continua,
dentre seus proponentes está o comediante Jim Carrey. O que eu fico feliz é que
aqui no Brasil não chegou com muita força o movimento antivacinação. Não o
movimento novo, americano, mas no passado já houve um: Quando Oswaldo Cruz
começou o movimento de vacinação no Rio de Janeiro, as pessoas estranharam aquilo e
se negaram a tomar a vacina. Mas nesse caso, eu devo admitir que o governo agiu
extremamente mal em querer vacinar as pessoas a força, e pior, sem fazer
qualquer trabalho de ensinar sobre o que é aquilo. Se não tivéssemos um povo
tão supersticioso, talvez não fosse tão difícil.

O movimento que nega que a aids seja causada pelo vírus HIV também é uma
desgraça, chega a ser maldade ainda haver gente que divulga isso. O presidente
da África do Sul, baseado – sem brincadeira – em pesquisas que ele fez na
internet, pelas quais ele conheceu esta teoria conspiratória, cortou verbas do
tratamento de soropositivos. E mais uma vez, a negação da ciência matou.

“…Mas a ciência vive mudando de ideia, as empresas farmacêuticas são capitalistas exploradoras, os cientistas são uns vendidos…”

Sempre o mesmo blá-blá-blá. Sim, os cientistas várias vezes erram, aplicam metodologias
erradas, são desonestos…. Afinal eles são humanos. Mas não é a ciência que
está errada, e sim alguns cientistas. Na ciência, aliás, os erros também são
importantes. Na verdade, é a própria ciência, não qualquer outra instituição,
que descobre os erros dos cientistas, pode até demorar, mas descobre.
Felizmente, o fato dela não ser dogmática significa que mesmo um consenso
científico de longa data pode ser desfeito se houverem evidências o bastante, e
o próprio método científico foi se aprimorando com o passar do tempo. Na
religião, por outro lado, chega a ser falta de educação falar que alguém está
errado, ou colocar em cheque algo que as pessoas acreditam há muito tempo,
mesmo que hajam fartas evidências de que ela estava errada. Entendeu a
diferença?


“…Essa coisa de verdade e mentira é muito relativa…”

Esse é o pior argumento de todos. Sinceramente, odeio os pós-modernistas com suas
teorias porra loca que querem relativizar o conceito de verdade, dizer que “tudo
é relativo, nada é verdade, verdade é coisa de elites brancas dominantes, nada
é certo nem errado”. Quando pessoas inteligentes, despidas de seus preconceitos
e interesses particulares, trabalham para solucionar um mesmo problema, elas
vão chegar mais ou menos às mesmas respostas. Diferenças culturais não são tão
grandes assim, note que qualquer língua pode ser traduzida para qualquer
língua, com uma ou outra palavra mais desafiadora, e equipes de pesquisa
frequentemente envolvem pesquisadores de países diferentes, que podem trabalhar
juntos e concordar em suas conclusões porque usam do mesmo método, e possuem
mentes parecidas.

Infelizmente, o besteirol dos pós-modernistas fez com que as pessoas não levassem mais a
sério as ciências humanas, aliás, quando as pessoas criticam as ciências
humanas, normalmente o que elas estão criticando é o pós-modernismo, uma triste
confusão. Dizer, por exemplo, que não se pode falar em verdade ou mentira em
questão de fatos e interpretações históricas parece bastante conveniente para
quem quer usar o posto de professor de história para professar ideologias. Já
que nada é verdade ou mentira mesmo, então por que não ensinar a minha versão
dos fatos? Não são todos assim, mas infelizmente, acaba que os bons pagam pelos
maus.

A história não é escrita apenas por vencedores, e os historiadores não poderiam
nem conversar entre si se realmente não existisse objetividade. Marxismo e sua
redução de todas as relações sociais por conflitos de classes e busca de
dinheiro também já ceifou muitas vidas.

Padrão