ceticismo, Educação, filosofia, Humano

I’m Back

maxresdefault

E peço desculpas aos poucos, mas muito valiosos, leitores deste blog, pela minha ausência inexplicada. Parei de escrever por um tempo por questões pessoais, da minha saúde mental bastante debilitada, que me forçou a fazer viagens diárias à outra cidade para tratar minha depressão com a técnica de estimulação magnética transcraniana, o que foi exaustivo e oneroso, mas o saldo final foi inequivocamente positivo. Após 16 sessões, eu estou novamente funcional, e estou feliz em estar, pretendo prosseguir com este blog, cuja escrita sempre foi um deleite para mim, e encabeçar em novos projetos, estudar e escrever obstinadamente. Eu ainda me recuso a usar o termo “resiliência”, por ser um modismo de autoajuda, e porque eu não me alavanquei sozinho para fora de minha condição de inércia patológica, como um barão de Munchausen se puxando para fora do pântano sozinho. Na verdade, pensei muito em morrer, pensei que seria melhor não existir. Mas mudei de ideia. Agradeço à ciência, e agradeço à minha família e aos meus amigos que me forneceram o apoio moral, financeiro e emocional de que tanto necessitei, bem como dos profissionais de saúde mental que me prestaram seus excelentes serviços. Eu não sou, afinal, um lobo solitário, e tão pouco um ídolo objetivista autossuficiente como os protagonistas da literatura de Ayn Rand. Mas meu fardo ainda é meu para carregar, e eu o aceito. Eu não desejo mais morrer, por mais que a ideia pareça tentadora às vezes.

E isto é bom, e não só pra mim, nem só para os meus amigos e família. Eu preciso me lembrar frequentemente que não estou nesta Terra à toa, eu tenho uma missão. E a minha missão é incomodar. Pois bajuladores e conformistas já há em excesso na sociedade, eu quero mesmo é criar problemas, só quero ter intelecto o bastante para ninguém me derrubar, e os livros que leio engrossam minha armadura. Neurótico, eu? Talvez. Mas os neuróticos também são necessários. Alguns homens parecem ter vindo à terra para viver a vida de uma bromélia, e seguir uma cômoda obediência bovina. O que os marxistas não querem admitir é que a maioria dos homens adora ser alienado, quer mesmo saber o mínimo necessário e considera conformismo uma virtude cívica. E não se engane: Não só nas fábricas, não só entre os pobres. Mas não, eu não. Não sou super-homem nietzchiano, nem sou livre de fraquezas, mas eu tenho coragem, e optei por viver e fazer algo que valha a pena neste mundo. E é preciso ter no lugar em que me encontro.

Falo do ambiente acadêmico. Eu vejo que há um excesso de “doutores” em besteirol por aí. Hoje mesmo, em uma emética palestra de direitos humanos na faculdade (na qual, estranhamente, quase não se falou de direitos humanos) a velha ladainha: As doutoras (de merda) discursando seus refrões enlatados de justiça social. Meu amigo, que sentava ao lado, comentou: “Parece que em toda palestra eles querem nos fazer sentir vergonha de sermos brancos.”. E é verdade. Quando vemos episódios lastimáveis como o que ocorreu recentemente em Virgínia, nos EUA, de manifestações de neonazistas, que chegaram até a matar uma pessoa, não nos esqueçamos que muito do combustível destes movimentos é o tal “efeito mola”, de radicalismo de um lado levando a radicalismo do outro, também conhecido como a “ferradura”. A histeria das SJWs piradas alimentam a ira dos neonazistas e vice-versa, num círculo vicioso boçal.

As doutoras de merda que tive o desprazer de assistir hoje, foram daquelas que querem a todo custo impor a já há muito desprovada teoria da tábula rasa: Tudo é construção social para estes loucos. Em nome da tal justiça social, toda verdade científica pode e deve ser sacrificada. Toda opção que a mulher toma, nesta visão deturpada,  considerada é fruto de uma grande conspiração do patriarcado. Céus, eu juro, em dado momento, se disseram indignadas por terem procurado “brinquedos de menina” no Google e visto só bonecas e coisas cor-de-rosa. Quem diria, não? Ah sim, todo o discurso vitimista convenientemente se esquivando da questão do islamismo, a religião mais misógina (no sentido estrito do termo) do mundo, mas que o politicamente correto decretou imune à crítica. Quando terroristas invadiram a redação do Charlie Hebdo e assassinaram os cartunistas, Glenn Greenwald foi logo dizer que a culpa foi dos cartunistas. Aliás, após tomar coragem de pegar o microfone na sessão de perguntar e comentários e expor minha opinião, me chamaram de indelicado por ter dito que as teorias das palestrantes são anticientíficas. Falei foi pouco. Fui delicado demais.

Enfim, sem entrar em detalhes desnecessários, eu preciso continuar vivo, para ter meu doutorado também, e o meu não será em “justiçagem social” embasada em pseudo-ciência, não senhor. Minha ideologia é a razão. Estamos num país em que homeopatia é especialidade médica, um congresso supostamente laico tem espaço para uma bancada evangélica, um ex-presidente condenado por crimes graves é adorado por multidões que o consideram vítima independente das montanhas de evidências de sua canalhice, criacionismo corre o risco de entrar no currículo de biologia como alternativa à evolução, e falando em educação,a questão educacional virou uma espécie de cabo de guerra de fanáticos religiosos contra pós-modernistas e marxistas por quem tem direito a impor sua agenda ideológica nas escolas. Ideologia de gênero vs. cristianismo. Que tal nenhum deles? Que tal a ideologia da razão?

Minha personalidade não é nada comedida, nada moderada, como alguém poderia associar imediatamente ao apreço pessoal à racionalidade. Não, pelo contrário, eu tenho um emocional complicado, e sou bravo. E acho que preciso ser bravo. Eu sou dos que admiram a razão e a ciência legítima, que acham que academia é lugar para esta, e não para politicagem, a verdade não é relativa ou socialmente construída e jamais deve ser condicionada aos interesses da ideologia da moda, e só a verdade liberta. Sou também daqueles que querem uma economia verdadeiramente livre e próspera, e sabem que isto só se faz com estímulo ao empreendedorismo, com redução de entraves burocráticos e fiscais, e acima de tudo com mérito ao estudo e ao trabalho, com mérito aos feitos do indivíduo, o indivíduo, sim senhor, que não é um mero ponto acéfalo em uma massa chamada sociedade, cujos interesses podem ser sacrificados aleatoriamente para atender alguma agenda escusa de um ideólogo idiota.

Não sou objetivista, nem me considero bem libertário, mas definitivamente não sou socialista. Cada indivíduo é um universo, seu ser é determinado antes de mais nada por sua condição biológica, e esta determina várias de suas facetas, mas além desta, é a somatória de fatores únicos que se passam em sua vida que o tornam singular, que fazem de sua mente idiossincrática. O potencial de um ser humano não é infinito, mas é único. Este ser não é derradeiramente livre, não no sentido teológico, ilógico, que viola as leis da causalidade, como se o cérebro fosse uma quarta dimensão independente das leis da física. Mas é livre no sentido de seguir seus anseios, suas paixões, seus impulsos, e estes estarem em alguma medida mediados por seu conhecimento e sua capacidade racional. Livre-arbítrio? Corte o arbítrio. Por que não apenas “livre”?

E ideologia? Eu acredito em razão, esta é minha ideologia, e isto me faz membro de uma minoria, uma de verdade, não uma minoria do PSOL, uma pequena minoria, mas não calada.

Eu não sou um gênio, e nem estou certo de ser muito inteligente, apenas subo no ombro de gigantes, não de anões, como é o caso dos doutores e doutoras em baboseiras, e procurarei meu lugar ao sol assim. Estou vivo. E é bom estar vivo. Quem não está contente… Bem, como disse, posso ser racionalista, mas tenho um temperamento intempestivo, então mais uma vez tomo aquela frase atribuída ao também intempestivo (e como!) Marquês deSade. Não admiro em nada sua irracionalidade e perversidade, mas sim sua coragem em desafiar o convencional e jamais disfarçar quem é, em desafiar, sempre desafiar, ainda que acabasse preso antes e depois da Revolução, pois não foi capaz de se adequar à mentalidade nem da monarquia, nem do Império de Napoleão. Nem a monarquia nem Napoleão calaram Sade, e nem o politicamente correto (e nem a depressão) me calarão, se quiserem combater minhas ideias, melhor terem ideias melhores, pois não me calarei por delicadeza.

“…repito: matem-me ou aceitem-me assim, porque eu jamais mudarei.”

Anúncios
Padrão
Educação, filosofia, história, Humano

Devo Fazer Um Curso de Humanas?

Essa é a pergunta de um milhão de dólares, principalmente para adolescentes que estão fazendo o ensino médio. E se eu tivesse uma resposta perfeita, certeira para todo mundo, eu talvez tivesse um milhão de dólares. Acho que não chego a isto, mas posso desfazer algumas confusões das pessoas sobre cursos de humanas, não só para adolescentes que querem fazer seu primeiro curso superior, mas para profissionais que já se formaram em outra coisa e pensam em uma segunda graduação, que é meu caso.

Continuar lendo

Padrão
ceticismo, Educação, filosofia, Humano, sociedade

Haverá esperanças para os seres racionais deste mundo? Quando eu vejo o meio acadêmico, que deveria ser um templo da razão, da investigação e debate céticos e imparciais, tornando-se um antro de (não) pensamento anticientífico, politicagem, pós-modernismo e marxismo, onde há pouco espaço para divergência e tolerância, tão pouco abertura ao debate impessoal, eu temo pelo nosso futuro. Talvez estejamos condenados a voltar às cavernas.

Link
Educação, filosofia

Reducionismo Bom e Ruim

architecturediagram_lg

De todas as ideias que já absorvi nas milhares de páginas que já li do cientista cognitivo Steven Pinker, meu ídolo pessoal, uma das mais valiosas, talvez a mais valiosa, é a explicação de que existem dois tipos de reducionismo: Bom e ruim. Em um único capítulo de seu livro Tábula Rasa, ele põe fim, com as frases mais claras possíveis, à uma das maiores confusões epistemológicas do mundo, no meio acadêmico e fora dele.

A ideia do conhecimento em camadas, e o esclarecimento de quais tipos de reducionismo são válidos e quais não são, caso fosse disseminada adequadamente, poderia de uma vez por todas dar fim à esta rixa idiota que existe entre humanas e exatas, que não deveria nunca passar do colegial, e seria melhor ainda se nem começasse. Mas ainda é frequente ver até mesmo pós-graduados em ciências exatas achando que humanas é um vale tudo em que nada é verdade nem mentira, e “o povo de humanas” é um bando de vagabundos esquerdistas maconheiros que vivem da venda de miçangas ou dos pais, e também se ouve muito pessoas de humanas descrevendo, explícita ou implicitamente, os de exatas como sendo psicopatas frios e calculistas, que escolheram exatas porque são incapazes de compreender sentimentos e emoções, e provavelmente nem os têm. Sério, vamos acabar com esta merda? Universidade não é uma gincana do Show da Xuxa ou do Gugu.

Podemos dizer que o conhecimento humano é dividido em camadas de complexidade, empilhadas. Reducionismo é quando alguém tenta explicar na camada x-1 um fenômeno que normalmente é visto pela ótica da camada x. Um dos exemplos mais claros é quando se tenta explicar um fenômeno da psicologia por fatos da biologia. A biologia está um nível abaixo da psicologia, pois ela detalha como funcionam os seres vivos como um todo, enquanto que a psicologia descreve o comportamento e o universo subjetivo interior de uma espécie de ser vivo em especial. Este reducionismo é dos que mais causam tabu, mas não precisaria: A biologia não torna inútil a psicologia por ser anterior à ela, nem é mais verdadeira. Da mesma forma que não faz estas coisas com a medicina.

Reducionismo ruim é quando pesquisadores mau-caráter querem passar esta ideia (esta nova descoberta da neuroanatomia fará você jogar todos os livros de psicologia no lixo!). Também já vi muito este tipo de argumento por parte de niilistas radicais, que querem passar a ideia de que sentimentos humanos são farsas porque podem ser explicados em termos biológicos. “O seu amor, seus sentimentos de carinho? É apenas o seu cérebro se enchendo de oxitocina! Uma farsa, amor não existe, é só oxitocina!”. Não preciso nem dizer o quanto esta explicação (juro que não estou criando espantalhos, realmente existe esse tipo de idiota falando publicamente, mas eu não quero dar publicidade a nenhum deles) completamente idiota, além de se basear em conhecimentos rasos sobre o assunto sobre o qual o sujeito finge para leitor ser um expert, também não explica por que deveríamos parar no nível da biologia, simplesmente a biologia estar no limiar de exatas e não exatas não vale; poderia eu responder ao niilista “a oxitocina é uma farsa! O que existe de verdade é C43H66N12O12S2 !  Árvores não existem, a dura realidade é que toda a floresta é madeira e folhas!

Os níveis superiores de abstração não são mais falsos ou menos rigorosos, eles são necessários para que possamos pensar sobre certos assuntos. Parece ser o novo dogma do MEC decretar que compartimentalização do conhecimento é algo nefasto que deve ser abolido, ou no mínimos devemos usar os rótulos mais genéricos possíveis (parte da agenda de decretar todos os rótulos como sendo coisa feia e ultrapassada), daí veio esta breguice de “ciências da natureza e suas tecnologias” e afins. Compartimentos – ou melhor, camadas – podem não ser linhas precisas, traçadas à laser (por exemplo, existe uma grande intersecção entre química e física) mas nem por isto são inúteis, simplesmente seria impossível pensar a fundo sobre certas coisas sem ignorar os pormenores.

Pense no absurdo: Deveríamos exigir que um dentista se formasse em medicina? Ou que o médico fosse também especialistas em todos os organismos vivos? E claro, pra que parar na biologia? Tente explicar a 2ª Guerra Mundial em termos de quarks e planks. Se for casado e estiver tendo problemas conjugais, vá ver um físico quântico ao invés de um terapeuta de casais. Aliás, a própria física é mais ou menos dividida em duas, a física Newtoniana, inventada no século XVII e válida até hoje, e a física subatômica, que explica fenômenos como eletricidade, luz e afins. Um físico provavelmente acharia esta minha divisão simplória e até grosseira, e me daria inúmeras outras classificações (óptica, termometria, cinemática, elétrica…) mas nenhuma delas anula a outra. A odontologia, por exemplo, é considerada uma disciplina separada da ciência que estuda o resto do corpo humano, talvez por razões históricas, mas mesmo assim ela funciona perfeitamente bem, e isto não é um fato desprezível.

O que não pode, é claro, é uma camada entrar em contradição com a anterior, a noção de dente de um dentista invalidar o que se sabe a respeito do dente pela medicina. Um dos dois tem que estar errado, e normalmente é a camada de cima. O reducionismo bom é o que vem desfazer estas confusões. Por exemplo, quando as técnicas de imageamento do cérebro por PET scan, e ressonância magnética funcional, exibiram em tempo real quais áreas do cérebro tinham maior atividade, o cérebro (e por consequência, a mente), deixou de ser uma caixa-preta, como consideravam os behavioristas radicais, e também vimos que ele é muito mais complexo do que a divisão em Id, Ego e Superego de Freud e da psicanálise. Aliás, uma grande parte das teorias freudianas podem ser desmentidas simplesmente observando o cotidiano, simplesmente vivendo: Quase ninguém sente tesão pela mãe nem quer matar o pai, você que está me lendo quase com certeza não, e não porque o seu superego reprimiu este desejo, mas porque ele não existe mesmo, a evolução de nossa espécie não favoreceu o incesto nem o parricídio, e por consequência eles são raros.

Mas psicologia não se resume à psicanálise (e, para ser justo, psicanálise não se resume à Freud), e portanto os neurocientistas não querem aposentar os psicólogos, e os que dizem que querem estão agindo de má fé, fazendo um reducionismo ruim. Ainda precisamos de pessoas que se dediquem exclusivamente à compreensão da mente humana, e é bom que elas se embasem em fatos rígidos.

Para quem é programador, mesmo principiante, o conceito não é novo: Programação é dividida em camadas. Além das chamadas linguagens de baixo nível – Assembly, essencialmente – e alto nível – C++, C#, Java, Python –  uma aplicação também é dividida em camadas – nível de interface gráfica e de aplicação, no mínimo, dentre várias outras disponíveis – e o próprio computador é divididas em camadas. Abra um livro texto de Andrew Tanenbaum ou outro cientista da computação, e verá que as camadas do computador são muito mais numerosas que duas, software e hardware. O sistema operacional, por exemplo, é uma das camadas intermediárias, apesar de ser software. Pense em uma boneca matroska. Mas nenhuma camada é mais verdadeira ou melhor que a de baixo. Nenhum dos softwares que usamos hoje em dia e facilitam enormemente nossa vida existiria se os programadores precisassem programar em código binário, e os usuários só pudessem usar programa em interface de comandos de texto estilo DOS.

Grande parte do desprezo que as pessoas têm sobre humanas é por acharem que porque uma ciência não é exata ela é um vale tudo em que não existe certo ou errado, é tudo relativo. Um preconceito mentiroso: Uma ciência pode ser rigorosa sem ser exata, e este é o caso da filosofia, da psicologia, da história e da sociologia. Para usar apenas uma ciência humana como exemplo, existem convenções de historiadores, e nestes eventos eles são capazes de se comunicar entre si perfeitamente, mesmo advindos de instituições diferentes e mesmo de países diferentes, falam nos mesmos termos contanto que falem a mesma língua (normalmente o inglês). Portanto não, em humanas não é tudo relativo. Não que tudo em humanas seja válido…

Grande parte do motivo das pessoas acharem que ciências humanas é Casa da Mãe Joana é a corrupção do meio acadêmico pela doutrina do pós-modernismo, de charlatões como Foulcault e Baudrillard, doutrina baseada em grande parte nos livros de ficção do escritor esquizofrênico Philip K. Dick. Que são excelentes livros, que originaram filmes fantásticos como Blade Runner e Vingador do Futuro, o problema foram os idiotas fazerem uma filosofia “pra valer” com base neles, que nega o próprio conceito de verdadeiro e falso, certo e errado. Por isso o que vem a cabeça de muita gente, ao ouvir ciências humanas, são os intelectuais (de merda) que aparecem na televisão defendendo criminosos como vítima da sociedade.

Se acha que estou inventando espantalhos, ou generalizando demais, experimente mencionar a um rousseauniano como todos os achados da arqueologia e a teoria da evolução disprovam tudo que Rousseau falou (o homem em estado de natureza ao qual ele se refere nunca existiu, e a vida em estado natural é um inferno, não uma utopia), para ver como ele trata este “pequeno” detalhe como insignificante, e você um ingênuo por achar que isto interfere na “elegância” das ideias de Rousseau. Defender uma ideologia baseada em fatos não verídicos com base em elegância é como insistir em vender passagens para voos em um modelo de avião que sempre cai e acaba em um desastre como o do Chapecoense em todos os voos, ressaltando, em sua defesa, o fato das poltronas serem muito confortáveis. E não se engane, os rousseaunianos não se interessam em Rousseau e ensinam sobre eles apenas para contextualização histórica. E, no fundo, os cursos de filosofia do Brasil estão mais para cursos de história da filosofia.

Mas atenção, os pós-modernistas (e seus asseclas) nunca admitem ser pós-modernistas. Igual aos hipsters. Só que ciências humanas não se resumem apenas ao pós-modernismo, podermos perfeitamente mandar esta porcaria para sua merecida lata do lixo (de preferência junto do marxismo) e as ciências humanas só melhorariam e ganhariam mais respeito com isto.

Update: Agora mesmo, assim que acabei de postar, fiz um reducionismo. Não conseguia escrever nada depois da fórmula da oxitocina, porque ficava tudo em letras pequenas, como 2 no final da fórmula, até o ponto de exclamação ficou pequeno. O WordPress oferece duas interfaces para o usuário: Visual (que lembra um editor de texto como o Word) e HTML, que mostra as tags “feias” que informam ao navegador como exibir as palavras. Tive que ir à interface HTML para ele parar de deixar tudo pequeno depois da fórmula da oxitocina, fechei uma tag, a tag < sub >. Isto não significa que obtive uma grande revelação, que a interface visual que eu estava usando antes é uma grande farsa, uma interface é a pílula azul e a outra a vermelha, e nem que daqui em diante usarei apenas a interface HTML, ou que meus textos seriam melhores se fizesse isto.

Padrão