ética, filosofia, história, Humano, sociedade

Basta de Tortura!

byfield

Este é um post que faço sem o humor que me é característico, sem nenhuma ironia, hoje não, não cabe qualquer humor para este assunto.

Eu tenho uma resistência psicológica relativamente forte. Já assisti muitos daqueles filmes considerados “os mais perturbadores do mundo”, li Marquês de Sade, joguei jogos violentos como Manhunt. Mas isto é ficção, e poucas obras de ficção chegaram a me abalar demais. Mesmo as fotos que circulam pela internet, na Deep Web e fora dela, eu acho que não me abalo tanto, pois inconscientemente penso “isso deve ser montagem”.

Quando saiu a notícia da barbaridade que fizeram com aquele soldado do Rio de Janeiro, eu realmente fiquei abalado. Me deu angústia. Não há dúvidas quanto à sua autenticidade, as inúmeras fotos do corpo escarificado da vítima, e o laudo dos médicos, não deixam dúvidas. Que coisa mais animalesca fizeram naquele quartel, com um indivíduo que não tinha feito nada errado, pelo “bem” de uma tradição, em um contexto onde hierarquia significa tudo, obedecer e consentir com os superiores é a lei absoluta.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/soldado-do-rj-que-perdeu-testiculo-apos-trote-quer-abandonar-carreira-militar.ghtml

Só de ler a notícia me dá calafrios. O que fizeram foi algo que não seria aceitável nem ao pior dos criminosos. Espero que agora que saiu a notícia diminua a tolerância para este tipo de barbaridade. A tolerância deveria ser zero. Lembro com pesar como, na época do filme Tropa de Elite, as pessoas acharam o máximo o tratamento que se dava aos aspirantes a membros do Bope. Que nojo.

Estamos no século XXI, e eu já estou enojado de ouvir desculpas para manter costumes odiosos como este, em nome de tradição ou cultura. Enfie a sua tradição naquele lugar. E não faltam apologistas, gente que acha que as vítimas, como este cabo, que vão a público denunciar, são uns indivíduos “problemáticos” e “frouxos” que não tem “macheza” o bastante para encarara o mundo, e que aqueles que se importam e se opõe à tortura e aos maus-tratos são uns “maricas” pseudo-moralistas e que estão deixando o mundo mais afeminado. Típico de gente que acha que as crianças são mal-educadas por falta de palmada. O conservador azedo Pondé é um desses que adora desprezar todas as reformas humanitárias e taxar os humanistas de farsantes,  reformas humanitárias que diminuíram consideravelmente o sofrimento e a morte desnecessárias do mundo.

Um dos grandes pensadores do iluminismo, o milanês Cesare Beccaria (1738-1794), foi um dos pensadores mais influentes para o direito penal moderno. Em sua obra Dos Delitos e Das Penas, de 1764, defendeu a abolição da pena de morte e da tortura. O livro foi influente, mas chegou a ser colocado no Index de livros proibidos da Igreja Católica, e o autor sofreu diversas críticas de outros intelectuais, como do francês Pierre-François Muyart de Vouglans, um Pondé da época, que achava Beccaria um coração mole, e o condenava por sugerir mudar um sistema tradicional. Pondé adora debochar dos que ele considera “fracos” e “perdedores”, ou, nas palavras de Clint Eastwood, “pussy generation”. Claro, que mundo terrível esse da pussy generation, geração dos maricas, boa mesma era a vida do velho oeste como em seus filmes…

Falando em ficção, eu não defendo absolutamente nenhum tipo de censura, e apesar de todo alarde que se fez sobre games violentos, filmes violentos e etc. este evidentemente não é o problema. As pessoas discernem ficção e realidade perfeitamente bem. Acredito que a extinção definitiva da tortura em nossas instituições só virá com uma mudança de mentalidade, e de educação, uma mudança do julgamento sobre os atos que se faz em nosso mundo real. Não devemos mais sugerir que tortura tenha alguma utilidade para moldar o caráter das pessoas, pois não tem, e nem relativizar seu mal. Uma tradição asquerosa que ainda sobrevive, ainda que de forma mais amena (mas não menos errada) é o trote universitário, no qual sempre me recusei a participar, nem como vítima, nem como algoz. Mesmo os trotes considerados mais “leves” como pintar a pessoa, rasgar sua roupa, forçá-la a beber e a pedir dinheiro no semáforo como um mendigo, são extremamente humilhantes, uma prova de como ainda achamos tortura aceitável e inventamos desculpas para justificá-la.

No caso do soldado do Rio de Janeiro, ele foi coagido a participar, chegou a tentar fugir, sem sucesso. Mas no caso do trote universitário: Se você estiver em uma universidade ou pretende entrar em uma, ainda é possível fazer como eu: Não permita que façam em você. De nenhum tipo. Não faz diferença para a vida universitária, não provoca bem a ninguém.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s