Empresas, geek, internet, Segurança e Privacidade

O Que Pensar do Bitcoin?

160504-bitcoin-b

Ouvi falar do Bitcoin pela primeira vez, se não me falha a memória, em 2011, quando conheci a Deep Web, mas só fui saber mais a respeito dele, e tentar usar pela primeira vez, em 2013, na época que o site Silk Road foi fechado e seu suposto dono, Ross Ulbrich, preso. Nesta época ocorriam discussões acaloradas no YouTube entre libertários radicais como Dâniel Fraga, defendendo com entusiasmo a tal “moeda descentralizada revolucionária”, com a qual conseguiríamos derrubar o Estado e estabelecer uma sociedade anarco-capitalista, e YouTubers mais céticos, que ressaltavam os problemas de ordem prática. O maior deles: Não ser uma moeda aceita em lugar algum. E, alegavam, se o governo achar a novidade uma ameaça, pode simplesmente proibi-la. Além de sofrer de inúmeros problemas de segurança.

Não vou me alongar em explicações técnicas sobre o funcionamento do Bitcoin, que é extremamente engenhoso, genial, mas se você não sabe como funciona criptografia assimétrica, será bem difícil de entender. Vou deixar no final do post fontes com informações colocadas de forma bem didática para quem quiser entender o funcionamento do sistema. Por hora, basta saber que é uma moeda deflacionária, cada usuário tem uma ou mais carteiras que possuem um certo número de bitcoins ou frações de bitcoin (pode ser fracionado até 8 casas após a vírgula) gerada por uma rede de mineradoras, que são computadores que fazem os cálculos e validam as transações com bitcoins, mantendo a rede financeira coesa e livre de problemas como transações duplicadas, e a cada x minutos uma mineradora (ou pool de mineradoras, que é mais comum) é premiada com bitcoins pela rede. Como explica a Wikipédia:

“Diferente da maioria das moedas, bitcoin não depende da confiança de um emissor centralizado ou uma instituição financeira. Usa um banco de dados distribuídos, espalhados pelos nós da rede P2P (usuários) para registrar as transações. Usando criptografia de código aberto para prover funções básicas de segurança, como certificar que a criptomoeda tenha propriedade e transferências semi-anônimas de valores, onde só podem ser gastas pelo dono evitando gastos duplos e falsificação. Também não depende da confiança entre usuários diferentes (nós da rede), onde qualquer pessoa pode controlar e monitorar um nó do sistema.

O Bitcoin pode ser salvo em computadores ou em pen drives na forma de “arquivos de carteira” ou como “serviços de carteira online” provido por terceiros; e em ambos os casos podem ser enviadas pela internet para qualquer lugar do mundo ou para qualquer pessoa que tenha um “endereço bitcoin”, podendo transacionar diretamente uns com os outros, usando criptografia de chave pública, sem intermédio de uma instituição financeira.[8] Transações são verificadas pelos nós da rede P2P e registradas em um banco de dados distribuídos (livro-razão público) de contabilidade pública conhecidos como Blockchain.”

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bitcoin

Três anos após a primeira grande onda, nem as previsões mais otimistas nem as mais pessimistas sobre o Bitcoin se confirmaram: Evidentemente ele não derrubou o Estado em país algum, nem é aceito em todo lugar, ainda há uma lista bem pequena de fornecedores de produtos e serviços que a aceitam, o serviço de venda de jogos Steam é um dos mais interessantes. Acho que o maior erro dos primeiros “evangelistas” do Bitcoin foi exatamente tentar vendê-lo junto com a ideologia anarco-capitalista, que quase ninguém acha uma boa ideia (eu por exemplo estou seguro de que seria um desastre, como qualquer revolução radical), e o fato de ser “a moeda da Deep Web” também não fez muito bem à sua reputação.

Mas, ao contrário do que os mais céticos apregoavam em 2013, ele não foi apenas uma moda passageira que logo seria esquecida , perdendo todo seu valor, como foi com o “jogo” Second Life e sua moeda Linden Dollar. No momento em que escrevo, o valor do Bitcoin, segundo o site Preev, está em US$873, ou R$2864. Nada mal. Vale dizer que uma coisa que não mudou de lá para cá é que o valor do Bitcoin oscila loucamente, mais do que qualquer moeda do mundo, e volta e meia sofre de enormes supervalorizações e desvalorizações relâmpago. O valor depende muito de qual bolsa você consulta. O site Bitcoinity, por exemplo, permite ver cotação em diferentes bolsas, e também mostra o valor médio de todas. Mas, independentemente da bolsa consultada, o valor do Bitcoin nunca foi à zero, mesmo depois do fiasco do MtGox. Sempre que há uma queda brusca, ele eventualmente se recupera, os investidores aproveitam quando o valor cai muito para comprar e vender quando o valor sobe, e assim todos os inúmeros decretos de morte do Bitcoin foram desmentidos. Agora talvez você se pergunte se vale a pena comprar ou minerar bitcoins.

Em primeiro lugar, não, minerar não compensa, já foi o tempo em que dava para conseguir algum lucro com equipamento doméstico. A rede Bitcoin recompensa proporcionalmente quem faz mais cálculos de hash, operações intensivas de computação, que ficam cada vez mais difíceis com o tempo, e há muita gente nesse mercado, está supersaturado, não há mais chance para peixe pequeno. Mesmo que você tenha um computador de gamer de última geração, um Alienware de R$5000 ou equivalente, não conseguirá lucro algum, não vai compensar a energia elétrica gasta, fora o desgaste da placa de vídeo por ficar ligada 24 horas por dia fazendo uma operação intensa. Mesmo que você compre um computador ASIC, uma destas geringonças especializado em minerar bitcoins (que também pode ser um risco de incêndio se você não prover refrigeração adequada), ele não será nada perto dos datacenters gigantes no Tibete e na Islândia, com mineradoras de Bitcoin rodando a todo vapor, movidas à energia elétrica muito barata destas regiões.

Investir em Bitcoin – comprar na baixa para vender na alta – ainda é o que o que mantém a ideia do Bitcoin em pé e atrai mais gente, mas fique ciente: É extremamente arriscado. Como na bolsa de valores, ou em qualquer investimento de risco, só deve entrar nesta quem sabe muito bem o que está fazendo. Ao contrário das bolsas de valores, o mundo do Bitcoin é ostensivamente desregulamentado, anárquico, não há nenhuma das seguranças que a regulamentação provê aos daytraders e outros participantes do mercado de ações tradicional. Não existe circuit breaker no Bitcoin. E muitas das pessoas que se aventuram neste universo são completamente inexperientes e ignorantes em economia. O efeito Dunning-Kruger é uma constante no mundo das criptomoedas. Outras criptomoedas, como o LiteCoin, o Dogecoin, e dezenas de outras, baseadas em tecnologias ligeiramente diferentes, são ainda mais inseguras que o Bitcoin, não são aceitas em lugar algum, e têm ainda menos chance de emplacarem. Este ano as que estão mais “quentes” são o Monero, Dash e o Ethereum, que parecem realmente ser tecnologicamente superiores ao Bitcoin, não apenas imitações, como as que vieram antes, e o Monero em especial ganhou notoriedade quando passou a ser aceito pelo AlphaBay, o maior mercado da Deep Web. O funcionamento dessas novas criptomoedas, que têm várias funções novas, é e ainda mais difícil de entender, e sobre estas eu não sei nada. A dica sempre é: Se achar uma boa gastar dinheiro com isto, seja para investir ou qualquer outra coisa, pesquise muito antes, e leia a opinião dos céticos também. Se não tiver tempo ou paciência, não se arrisque.

Mas talvez você não tenha interesse em investir ou minerar Bitcoin, mas apenas em usar para o que ele foi feito: Para gastar, como qualquer moeda. OK, eu mesmo tenho uma carteira de Bitcoin (caso queira fazer uma gentil doação, o endereço é 13GLhDE5YsFCavX5wxChWW2hoBtLYU1Pny ), alguns serviços online a aceitam, como VPNs, algumas lojas físicas também, e é o melhor jeito de comprar jogos no Steam, principalmente depois que o Banco Central proibiu compras internacionais com preço em reais, o que ferrou com o sistema de pagamento por cartão do Steam, simplesmente ficou um lixo depois, antes era praticamente instantâneo, e agora usa um sistema tosco que demora uma eternidade para aprovar, e exige preencher um formulário a cada compra… Na verdade, é exatamente por estes desserviços do sistema financeiro estatal que o Bitcoin foi criado e a ideia foi abraçada por tantos. Se você costuma gastar sempre algum dinheiro em jogos todo mês, uma ideia é depositar este valor todo mês na sua carteira.

Claro, você pode simplesmente depositar dinheiro normal na sua Carteira Steam, mas o dinheiro que você guarda nela não poderá ser usado para nada além de comprar jogos, não é possível sacar de volta em reais de forma alguma, e não dá nem para mandar pra outra pessoa, para dar ou vender, e também vai ficar parado, nunca vai se valorizar.

O Bitcoin ainda sofre daquele velho problema: Segurança. Você pode guardar bitcoins em uma carteira local, como a Electrum, instalada em seu PC, e tudo bem, contanto que o seu computador seja extremamente seguro. Deixar aquele seu arquivo wallet.dat na pasta Meus Documentos da sua linda máquina Windows com antivírus grátis e cheia de programas crackeados e outras coisas baixadas da internet é pedir para ser roubado. A maioria dos evangelistas do Bitcoin são especialistas em informática que sabem como manter o computador tão seguro quanto um computador de banco, mas as pessoas às quais eles se dirigem não são. Idealmente, grandes quantias devem ser guardadas numa “carteira fria”, isto é, num computador que fica desconectado, e de preferência não um com Windows. Mas se a sua máquina for roubada…. Você perde tudo. É o mesmo problema de guardar dinheiro embaixo do colchão.

Você pode guardar seus bitcoins numa carteira na nuvem, inclusive numa das bolsas da internet, que também oferecem uma carteira na nuvem e serviço de escrow. Algumas delas oferecem até opções de segurança muito boas. A minha favorita ainda é a blockchain.info. Este ano, depois de muito tempo sem lidar com bitcoins, queria comprar um jogo no Steam, e lembrei que tinha uma carteira neste serviço com algum dinheiro, carteira que tinha feito em 2013… E, para minha alegria, ninguém tinha me roubado nestes 3 anos, comprei meu jogo com dinheiro que nem lembrava que tinha. Este e outros serviços ainda oferecem opções de segurança reforçada, como verificação em duas etapas, PINs, perguntas de segurança, e no caso do blockchain.info, a sua carteira fica criptografada nos servidores deles, mas eles mesmos não detém as chaves para descriptografá-las. Mas não custa lembrar, estas carteiras online não são bancos e, para o bem e para o mal, não são regulamentadas como bancos, e você não tem quase nenhuma proteção ou garantia legal caso seja roubado (dada a maneira como o Bitcoin funciona, anônima e descentralizada, é quase impossível provar que um roubo foi um roubo mesmo, não há seguro para isto) ou caso a empresa vá à bancarrota da noite pro dia, como foi o MtGox, que até hoje é um grande mistério, apesar de já se saber que a empresa estava insolvente desde 2012 devido a um roubo interno. Claro que hoje as bolsas e carteiras na nuvem não são tão obscuras quanto era o MtGox, que funcionava sem transparência nenhuma, mas mesmo assim, uma delas fechar subitamente sem explicação ainda é muito mais provável que o mesmo acontecer com um banco. Eu não recomendo guardar grandes quantidades de dinheiro em nenhuma delas, muito menos as economias da sua vida.

Comprar bitcoins é a parte mais chata: Por medo de represálias legais, de acusações de facilitar esquemas de lavagem de dinheiro, sonegação e tráfico de drogas, os grandes sites de compra e venda de bitcoins, que também oferecem as vendas mais seguras contra fraudes, agora são mais burocráticos que nunca, muitos, inclusive o nacional Mercado Bitcoin, exigem que você escaneie (verbo horrível) e envie uma cópia de documento de identidade com foto, informe CPF e outros dados…. Exatamente o que os libertários evangelistas do Bitcoin sempre odiaram. Você também pode comprar em sites de vendas como o Mercado Livre, e cruzar os dedos para não ficar a ver navios depois de mandar a grana. O Local Bitcoin é um site que facilita o encontro de vendedores e compradores de bitcoins no mundo todo, há várias formas de pagamento, até mesmo com cartões de presente da Amazon e Steam, mas muitos vendedores não vendem para fora do próprio país. Não achei quem vendesse Bitcoins com Paypal no Brasil, aqui geralmente a compra é com boleto bancário mesmo.

Toda esta burocracia parece derrotar o propósito da moeda ser anônima e permitir transações anônimas e não rastreáveis, mas se precisar você pode usar tumblers (não relacionado ao serviço de blog) para tornar suas transações mais anônimas, a própria Electrum Wallet conta com esta função de “embaralhar” suas transações, mas todos os tumblers cobram uma comissão. Apesar de que praticamente todas as carteiras cobram ágio também.

Acho que o melhor do Bitcoin foi a ideia que ele lançou. Isto é, impulsionou o interesse e investimento em novos métodos de pagamento, mais modernos que os boletos e cartões de créditos tradicionais, e mostrou que o sistema bancário tradicional ficou parado no tempo, assim como os táxis, serviço monopolizado, caríssimo e ruim, o que permitiu o sucesso fácil do Uber. Hoje vemos a iniciativa de muitas empresas em tentar introduzir novos e melhores métodos de pagamento no mercado, como Samsung Pay, Apple Pay, e NuBank, este último, que tem feito bastante sucesso pelas taxas de juros baixas e seu aplicativo que facilita o controle financeiro, já está sendo ameaçado pelo Banco Central. Esta velha mania do estado e suas instituições caquéticas de querer regulamentar ou proibir toda novidade, mesmo quando tudo corre bem e ninguém está pedindo intervenção alguma, é o motivo de surgirem excessos como o anarco-capitalismo, e o motivo de tanta gente ter abraçado o Bitcoin mesmo correndo riscos.


Informações:

https://jovemnerd.com.br/nerdcast/nerdcast-393-ouro-diamantes-e-bitcoins/

https://bitcoin.org/pt_BR/comecando

https://www.bitcoinnews.com.br/bitcoinbrasil/dominando-enderecos-de-multiplas-assinaturas-multi-sig/

https://www.bitcoinnews.com.br/bitcoinbrasil/tutorial-configuracao-seguranca-blockchain/

https://www.bitcoinnews.com.br/bitcoinbrasil/tutorial-como-realmente-funciona-uma-transacao-bitcoin/

E como a ideia dos anacaps de extinguir o Estado via bitcoin não deu certo…

https://www.bitcoinbrasil.com.br/como-declarar-seus-bitcoins-no-imposto-de-renda-de-2015

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s