Sem categoria

O Dia Antes do Fim – Margin Call

Um
bom filme para quem quer ver Kevin Spacey num papel diferente do usual, não
lembra em quase nada o psicopata funcional Frank Underwood de House of Cards,
tão pouco o presidente do exército privado de Call of Duty Advanced Warfare.
Não sei se é assim com todos os lugares que ele aparece, mas eu construí em
minha mente uma imagem do personagem padrão do Kevin Spacey como o cara que “manja
dos paranauês”, ou num português um pouco mais culto, o sujeito que faz parte
do alto escalão de uma organização enorme cheia de imundice, mas sabe
exatamente como o sistema funciona e vai te apresentar cada detalhe e sair
triunfante em cada situação, não se importando com quem ele terá de usar
friamente para chegar aos seus objetivos. A moral da história é que o mundo é dos
espertos, e ética é uma coisa de contos de fadas, “for pussies”.

Mas
não neste filme.

Neste
Kevin Spacey faz um papel bem humano. Interpreta Sam, um alto executivo de um
banco de investimentos, ele não é nem um pouco inocente e nem um pouco ingênuo,
sabe o que faz, e demonstra jogo de cintura ao se dirigir à sua equipe após a
demissão de 80% do departamento. Mas ele tem preocupações completamente
humanas, o que é deixado bem claro, logo no início do filme, quando ele
menciona o quanto está preocupado com o cachorro moribundo no consultório do
veterinário. E ele não é imune à sua consciência quando percebe que terá que
fazer algo extremamente imoral, até para os padrões da indústria, para que
todos possam sair com algum dinheiro quando a merda bater no ventilador.

Se
por um lado vemos um Kevin Spacey preocupado, ansioso, quase depressivo, por
outro lado o CEO da empresa (uma óbvia alegoria à Lehman Brothers) é o
personagem que Kevin Spacey normalmente faria, o frio e imoral homem de terno,
que, ao saber que vários ativos que a firma adquiriu no passado tornaram-se
areia (é realmente difícil entender o enredo do filme se você não for um pouco
informado sobre a crise de 2008) não pensa duas vezes: Decide que os corretores
da empresa terão que empurrar os títulos podres para os clientes a qualquer
custo, antes que eles descubram.

Um
filme sobre mercado financeiro, mas sem o humor negro (ou qualquer espécie de
humor) de O Lobo de Wall Street.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s